Terça-feira, 16 de Junho de 2009

Padre Cruz: 150 anos do nascimento

 
 
Sacerdote português (Alcochete, 29.7.1859 - Lisboa, 1.10.1948, formado em Teologia em Coimbra, que se evidenciou não pela ciência mas pela sua entrega total às pessoas. Praticou heroicamente o que inculcava aos sacerdotes: «Confessar enquanto se apresentarem pecadores, pregar enquanto houver ouvintes, e rezar até já não se poder mais». Confessou e deu a primeira comunhão, em 1913, a Lúcia, de Fátima, e em Junho ou Julho de 1917 reziu com ela e com os outros dois pastorinhos o terço, dizendo-lhes que não temessem pois era Nossa Senhora quem lhes aparecia. Em 1940 fez-se jesuíta. A fama das suas virtudes e o seu poder diante de Deus fizeram que fosse tido por santo ainda em vida. O processo de beatificação iniciou-se em Lisboa, em 1951, e foi concluído em 1965. A aprovação dos escritos ocorreu a 30 de Dezembro de 1971. Sobre o processo de canonização veja aqui.

publicado por annualia às 09:52
link do post | comentar
Domingo, 26 de Abril de 2009

Canonização de Nuno Álvares Pereira

Image 

  Clique sobre as imagens acima para mais informações.

publicado por annualia às 12:02
link do post | comentar
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

Reconhecimento do milagre do Beato Nuno de Santa Maria

O Papa Bento XVI assinou hoje o documento que formalmente reconhece as virtudes heróicas do Beato Nuno de Santa Maria (D. Nuno Álvares Pereira), removendo assim todos os obstáculos à sua canonização, cujo processo se encontra aberto desde 1940.

 

«un miracolo, attribuito all'intercessione del Beato NUNO DI SANTA MARIA ÁLVARES PEREIRA (al secolo: NUNO), Laico professo dell'Ordine dei Frati della Beata Vergine Maria del Monte Carmelo; nato a Flor de Rosa (Portogallo) il 24 giugno 1360 e morto a Lisbona (Portogallo) il 1 aprile 1431»

 

Fonte: Boletim de Imprensa da Santa Sé de 3.7.2008

 

Herói nacional português, beatificado em 1918 (1360-1431) era filho de Álvaro Gonçalves Pereira, prior da Ordem do Hospital. Serviu como escu­deiro na corte de D. Fernando, onde foi armado cavaleiro pela rainha D. Leonor Teles. Casou, aos 16 anos, com D. Leonor de Alvim. Espírito cava­leiresco, ousado e combativo, aliado a grande nobreza de alma e piedade profunda, começou a distinguir-se pelo seu arrojo durante as lutas travadas com Castela. Depois da morte do conde de Andeiro (1383) colocou-se ao lado do Mestre de Avis, vencendo a Batalha de Atoleiros (6.4.1384), onde inaugurou uma nova táctica militar e desempenhou acção decisiva nas cortes de Coimbra (1385), onde foi aclamado rei D. João I. Venceu a Batalha de Aljubarrota (14.8.1385), destroçando, mais uma vez, os Castelhanos em Valverde (1385). O reino pacificado, começou a construção do Convento do Carmo, em Lisboa, tendo entrado, em 1423, na Ordem dos Carmelitas, levando a existência na prática da caridade mais exemplar.

 

publicado por annualia às 20:38
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Padre Cruz: 150 anos do n...

Canonização de Nuno Álvar...

Reconhecimento do milagre...

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO