Terça-feira, 28 de Julho de 2009

Os enigmas dos Painéis: interpretação, interrogações e novos dados

 

 

«A diversidade das interpretações dos Painéis decorrem das diferentes identidades atribuídas à figura representada nos dois painéis centrais. A primeira identificação, desde o início sustentada por José de Figueiredo e secundada entre outros por Reinaldo dos Santos, foi com o mártir S. Vicente, padroeiro de Lisboa. Assentava ela, sobretudo, no culto prestado ao santo e no facto de a figura estar representada de dalmática, veste própria da dignidade eclesiástica (diácono) de S. Vicente. Esta filiação interpretativa terá larga fortuna durante o século xx, tendo sido seguida por muitos historiadores nacionais e estrangeiros. Mas não faltou quem a contestasse. Alfredo Leal fê-lo logo em 1917, propondo uma leitura que identificava a figura central com Sta. Catarina, padroeira de D. Afonso V. Em 1925 surgiria outra tese, de José Saraiva, que defendeu a identificação com D. Fernando, o Infante Santo.

Inicialmente dispostos como dois trípticos, foi só depois de 1926 que a sua disposição actual foi estabelecida (embora só exibida em 1940) por Almada Negreiros e José de Bragança, com base na observação da perspectiva dos ladrilhos do chão representado na pintura.

Outras teses surgiriam ainda, como a de Belard da Fonseca que pretendeu ver na enigmática figura o Cardeal D. Jaime, sepultado na basílica florentina de S. Miniato, para onde se destinariam os painéis. Foram, porém, as teses vicentina e fernandina que mais distintamente emergiram das diversas análises e da polémica que se instaurou.

(…)

Depois de anos de relativa acalmia da veemência discordante, que não diminuíram o interesse pelos Painéis, unanimemente reconhecidos como uma das obras maiores da pintura europeia quatrocentista, surgiu no ano 2000 uma novo estudo favorável à hipótese fernandina. Jorge Filipe de Almeida não só identifica a figura central dos Painéis com o Infante Santo (justificando o uso da dalmática com uma «vontade de dignificação»), como interpreta, com larga argumentação, todo o conjunto como uma representação simbólica das suas exéquias, nelas comparecendo a «Ínclita Geração». Neste contexto, não é desprezível a observação do esquife vazio do Painel da Relíquia (o mais à direita), onde também é exibido o escalpe de Sto. António, que o infante D. Pedro — regente do Reino e, segundo o mesmo autor, a figura da esquerda, em primeiro plano, do Painel do Arcebispo, na diagonal do jovem D. Afonso V, no Painel do Infante — teria oferecido à Confraria do Bem Aventurado Santo Antoninho a cuja casa se teriam destinado os Painéis e onde também funcionava o Senado da Câmara».

Excertos da entrada «Questão dos Painéis» na Enciclopédia Verbo-Edição Século XXI, vol. 24, Lx., Setembro de 2002.

publicado por annualia às 15:00
link | comentar
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

Verbo Clássicos: vinte e um títulos publicados

 


Ver o blog aqui.

Versão YouTube

 

 

 

publicado por annualia às 17:28
link | comentar
Terça-feira, 14 de Julho de 2009

Fernando Pessoa na colecção Verbo Clássicos

 

publicado por annualia às 15:55
link | comentar
Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Verbo Clássicos nas livrarias


 

publicado por annualia às 12:21
link | comentar
Quinta-feira, 2 de Julho de 2009

Exposição de Manuela Madureira em Estremoz

 

A Editorial Verbo publicou em álbum uma visão de conjunto da obra de Manuela Madureira.


 

publicado por annualia às 11:00
link | comentar
Quarta-feira, 17 de Junho de 2009

Verbo Clássicos nas «Escolhas de Marcelo»

 

Emissão (RTP1) de 14 de Junho de 2009 (minuto 21:24)

Veja e ouça o programa aqui.

Blog da colecção aqui.

 

 

publicado por annualia às 03:05
link | comentar
Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

Camões

Clique na imagem para ter acesso às belas capas inéditas

da edição de Os Lusíadas na colecção Verbo Clássicos.
 

publicado por annualia às 09:17
link | comentar
Quarta-feira, 3 de Junho de 2009

Prémio Camões/ Arménio Vieira


Poeta cabo-verdiano de seu nome completo Arménio Adroaldo Vieira e Silva (n. Praia, 29.1.1941). Estudante liceal até ao 6.º ano em São Vicente, a actividade de meteorologista fixou-o na ilha natal de Santiago, onde também fez jornalismo e foi professor de Português. Quando, em 1964, tem de sair de Cabo Verde para servir militar em Portugal, já o seu nome figura entre a «novíssima» geração de poetas que, através de uma página literária de vida efémera -- «Seló» (duas edições em 1962) -- do jornal Notícias de Cabo Verde, se propunha como um movimento renovador que, sem ruptura com as coordenadas estéticas e socioculturais dos movimentos da Claridade e da Certeza, convocasse a consciência colectiva pela «necessidade de protestar e dar alarme» perante as crises típicas dos «flagelados do vento leste».

Arménio Vieira assume vigorosamente a «sua» consciência, opondo (ou substituindo) à tópica anterior do evasionismo e da resignação o «poema/ que se há-de escrever/ na hora exacta/ em que os homens despertarão/ para uma vida plena/ de consciência da terra». Esta «consciência» trasmuda-se para um cosmopolitismo europeizante no seu único romance, No Inferno, o qual, «marimbando na lógica e no encadeamento natural dos acontecimentos, umas vezes com base em ocorrências de natureza autobiográfica e outras vezes a partir de ideias e motivos tomados de empréstimo a uma vasta literatura pretérita», se definiria como um anti-romance. Está incluído em várias antologias e revistas, designadamente em Cabo Verde (1962 e 1978), Mákua (1963), Vértice (1971), no Reino de Caliban (Manuel Ferreira, 1975), Raízes (Cabo Verde, 1978), Contratempo (Luís Romano, 1982), África (1986) e 50 Poetas Portugueses (Manuel Ferreira, 1989). Prefaciou, em 1987, o livro de Baltazar Lopes, Os Trabalhos e os Dias, e publicou em livro: Cabo Verde (1979), Cântico Geral (1981), Poemas (1981), O Eleito do Sol (1989, 1992), No Inferno (2001), MITOgrafias (2006).

Leonel Cosme
em Biblos - Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa
(volume 5, cols. 846-847, Lisboa, 2005)

Ver notícia no Público

publicado por annualia às 09:21
link | comentar
Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Verbo Clássicos: booktrailer 3

Versão actualizada com as novas capas.

 

Versão no YouTube aqui.
Blog da colecção aqui.

publicado por annualia às 11:28
link | comentar
Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

Museu Hergé


O Museu Hergé, que abre ao público na terça-feira, dia 2 de Junho, visa dar a conhecer as "múltiplas facetas" do artista belga, mas ao longo das diversas salas de exposição Georges Remi tem sempre a "concorrência" da sua mais notável criação, Tintim. Ver texto integral da notícia do Público.

 

publicado por annualia às 12:16
link | comentar
Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Ler é um prazer. Ver também.

OS FILHOS DE D. JOÃO I

Oliveira Martins

 

FARPAS ESCOLHIDAS

Ramalho Ortigão

 

Descubra o esplendor das capas

AQUI

 

 

 

publicado por annualia às 13:16
link | comentar
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Os 100 anos do Comité Olímpico


 

Brochura com o texto de José Vicente Moura, publicado na Annualia 2008-2009, que será apresentada, hoje, no arranque das comemorações do centenário do Comité Olímpico de Portugal.
 

 

publicado por annualia às 13:29
link | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

O Homem da Capa Verde

O problema da política nã...

... na verdadeira generos...

... o homem é simultaneam...

«A melhor influência que ...

... as causas da união, p...

A exaltação da liberdade

... a partir de que momen...

O discurso antigo da feli...

História das Ideias: mora...

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO