Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

2009 Ano Internacional da Astronomia II

por Máximo Ferreira

Astrónomo

SEGUNDA PARTE
O Céu na História

 

Os mais antigos registos de factos astronómicos provêm da Mesopotâmia, região entre os rios Tigre e Eufrates, onde se situa actualmente o Iraque. Certamente, já muito antes os habitantes daquela e de outras partes do mundo observavam o céu e imaginavam nele figuras e mitos e a morada de forças ocultas que, por vezes, provocavam os relâmpagos e os trovões ou, ocasionalmente, faziam desaparecer o Sol, durante o dia, ou a Lua, em noites de lua cheia.

Teria sido também por «sinais» celestes que terão aprendido a determinar as melhores ocasiões para preparar terras para as sementeiras, lançar as sementes ou proceder às respectivas colheitas.

Quanto à posição do Homem no cosmos, é quase certo que, por volta do ano 1000 antes do início da nossa era, a concepção do mundo não seria muito diferente nos grandes impérios (Mesopotâmia, Egipto e China). A Terra não seria mais do que uma pequena porção plana encimada por uma abóbada, no interior da qual se encontravam, fixas, as estrelas.

No entanto, é certo que tinham conhecimento da relação do céu com as estações e a duração do ano e que era notável a preocupação de estabelecer concordâncias rigorosas. Uma antiga placa de argila (do século XX antes da nossa era) tem o registo de que "Hamurábi, disse ao seu ministro Sin-idinnam: o ano está fora do sítio …".

Sobre o saber astronómico grego pouco se conhece anteriormente ao século IV a.C., pois dos filósofos de então não nos chegou qualquer documento escrito. Mesmo de Aristarco e Hiparco (séculos III e II a.C., respectivamente), os documentos conhecidos constituirão uma pequeníssima parte dos trabalhos que terão produzido. Mas seriam os gregos a aplicar aos factos e fenómenos observados no céu um racionalismo científico que, baseado nas tentativas de retirar dos fenómenos naturais a mística, a magia e o sobrenatural, levaria ao despertar da curiosidade de observar, registar e interpretar os fenómenos em análise. O primeiro grande sucesso da Astronomia grega consistiu no reconhecimento da Terra como um «corpo celeste». Anaximandro concebe a Terra com forma cilíndrica, isolada no espaço, e, à sua volta, todos os «astros errantes» descrevendo voltas circulares inclinadas relativamente ao cilindro.

Já no início da nossa era, com base em complexos arranjos geométricos, Ptolomeu estabelece o mais perfeito «sistema do mundo» com base no geocentrismo. A ideia da Terra no centro de uma enorme esfera coincidia com o que se observava durante o dia e à noite e, essencialmente, estava de acordo com a filosofia de Aristóteles. Por isso, durante cerca de mil e quinhentos anos foi esse o modelo adoptado.

No período da Renascença, escritores, filósofos e cientistas aprofundam «contactos» com as ideias de filósofos gregos e retomam algumas das suas convicções. Copérnico analisa as representações de Ptolomeu e compara-as com as observações modernas, concluindo que estas seriam mais fáceis de explicar se, em vez da Terra, se admitisse o Sol no centro do mundo. A aventura dos descobrimentos e as técnicas e instrumentos desenvolvidos para determinar posições no mar (a partir da observação astronómica), contribuíram para retirar definitivamente a humanidade do centro do mundo.

As observações de Galileu demonstram a validade do conceito heliocêntrico e sugerem que o Sol não estará no centro do mundo e, ainda, que a esfera celeste não terá existência real. Descobre-se a paralaxe estelar, determinam-se distâncias às estrelas e confirma-se a ideia de Kant ao verificar-se que o seu «universo ilhas» existia na forma de inúmeras galáxias dispersas pelo espaço.

Já no século XX, determina-se a posição do Sistema Solar na nossa Galáxia e verifica-se que ele se situa muito longe da parte central.

O Homem, retirado do centro do mundo por Copérnico, era agora afastado do centro da Via Láctea, uma de entre milhões de galáxias que povoam o Universo, no qual não faz sentido falar de «centro».

*Texto inicialmente publicado no volume Annualia 2008-2009


Seguir blog do Público, aqui.

publicado por annualia às 16:53
link | comentar

Os hermeneutas do presidente

O poeta egípcio Mounir Saied Hanna foi preso em Maio e posteriormente multado em mais de 12 500 euros e condenado a três anos de prisão por ter escrito poemas interpretados como insultuosos para o presidente egípcio. O irmão de Mounir e a acção de uma ONG, The Arabic Network for Human Rights Information, fizeram com que a sentença fosse agora revista e reduzido para três meses o período de prisão.

Um dos poemas citados em tribunal é mais ou menos assim:

Brilha, brilha tu que nos iluminas a todos

Brilha, brilha tu que iluminas

Nada brilha como tu brilhas

Fazes o povo sentir-se confuso e perdido

Fazes o povo sentir-se feliz e perdido.

publicado por annualia às 15:43
link | comentar

Gangubai Hangal (1913-2009)

Cantora clássica indiana (Hangal, Karnataka, 5.3.1913 – Hubli, Karnataka, 21.7.2009) que fez história por ter sido uma das poucas mulheres a triunfar no mundo masculino do canto clássico, tornando-se membro ilustre da escola musical designada por Kirana Gharana, fundada por Ustad Abdul Karim Khan. Para tal, Gangubai teve de romper fortes barreiras de género e de casta. Em certo momento, uma doença fez com que perdesse a voz, mas, superado esse momento, regressou ao canto com uma voz de timbre mais grave, quase masculino, que a tornou ainda mais inconfundível. O seu primeiro grande concerto teve lugar em Bombaim (Mumbay), em 1933, e cantou pela última vez em público em 2007, em Dharward, quando foi feita membro da Sangeet Natal Akademi, um honra concedida a muito poucos, que a distinguira com um prémio em 1973. Gangubai foi galardoada também com os prémios da Academia Karnataka Sangeet Nritya (1962), Padma Bhushan (1971), Padma Vibhushan (2002).


 

 

publicado por annualia às 09:47
link | comentar

Cientistas online

Centenas de entrevistas feitas durante a década de 1960 a vários cientistas da área da física estão disponíveis de graça na biblioteca online do Instituto Americano de Física. [Ver artigo no Público]


 

publicado por annualia às 09:33
link | comentar
Terça-feira, 21 de Julho de 2009

2009 Ano Internacional da Astronomia I


por
MÁXIMO FERREIRA *

Astrónomo


PRIMEIRA PARTE
Introdução
Em Março de 2004, o Departamento da UNESCO (Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas) com a responsabilidade do Património Mundial, o ROSTE (Comité Regional para a Ciência na Europa) e o ICOMOS (Conselho Internacional de Museus e Sítios), reuniram em Veneza um grupo de especialistas para estudar a possibilidade de incluir a categoria de «património astronómico» e a metodologia para a sua definição e implementação. Foi então decidido adoptar, provisoriamente, como critérios para considerar «património astronómico», os «objectos» (físicos ou imateriais) que apresentassem evidências de:

-Propriedades cuja concepção e/ou paisagem, tivessem relação com objectos celestes ou acontecimentos astronómicos;

-Representações do céu e/ou corpos celestes ou acontecimentos astronómicos;

-Observatórios e instrumentos;

-Propriedades com forte ligação à história da Astronomia.

Consumava-se, assim, mais um acto a contribuir para a concretização dos objectivos definidos na «Convenção relativa à Protecção do Património Mundial Cultural e Natural», adoptada (em 1972) pela UNESCO, em que se destacou o propósito de "encorajar os países a assinarem a Convenção do Património Mundial e a assegurarem a protecção do seu património cultural e natural" e de «encorajar a participação da população local na preservação do seu património cultural e natural».

Logo nesse ano de 2004 foi anunciada a intenção de o governo italiano solicitar àquela Organização das Nações Unidas a proclamação do ano 2009 como «Ano Internacional da Astronomia». Da fundamentação constava o facto de 2009 coincidir com o 400.º aniversário das primeiras observações do céu, através de telescópios, realizadas por Galileu, cidadão italiano.

Tendo em conta as implicações da Astronomia na cultura e na diversidade cultural – área das competências da UNESCO como agência especializada das Nações Unidas – na 62.ª sessão das Nações Unidas, em Dezembro de 2007, foi adoptada a resolução de declarar o ano de 2009 como Ano Internacional da Astronomia.

Dos argumentos invocados para tão importante decisão destacam-se:

a) O reconhecimento de que as observações astronómicas têm implicações profundas no desenvolvimento da ciência, filosofia, religião, cultura e concepção geral do Universo.

b) O conhecimento de que as descobertas de astrónomos no campo da ciência têm tido influência não só no nosso entendimento do Universo, mas também na tecnologia, na matemática, na física e no desenvolvimento social em geral.

c) A consideração de que o impacto cultural da Astronomia tem sido marginalizado e confinado a um público especializado.

d) A convicção do papel crucial que a UNESCO pode desempenhar na formação da opinião pública, no sentido de incrementar o seu conhecimento da importância da Astronomia para o desenvolvimento social, através do estabelecimento de ligações entre redes de investigação científica e a percepção cultural do Universo.

A União Astronómica Internacional criou um Secretariado que, propondo-se coordenar as diversas actividades em todo o mundo, preparou ainda um conjunto de sugestões aos países aderentes, das quais se destacam preocupações de envolver sociedades e associações de astrónomos profissionais e amadores e produzir exposições itinerantes, séries de conferências organizadas pelas sociedades nacionais, etc.

Em Portugal, ainda em 2007, a Sociedade Portuguesa de Astronomia iniciou a organização das actividades para o «2009 Ano Internacional da Astronomia», criando uma Comissão que estabeleceu contactos com entidades, instituições, sociedades, associações e mesmo individualidades ligadas a áreas profissionais de algum modo relacionáveis com a Astronomia, quer do ponto de vista científico, quer tecnológico.

Para além de diversas sugestões a Museus, associações de astrónomos amadores, grupos de astronomia em Escolas ou outras instituições (autarquias, editoras, espaços comerciais, companhias de teatro, orquestras, etc.), foram lançados concursos, destinados essencialmente a jovens estudantes, organizadas conferências, encontros de astrónomos profissionais e amadores, representações teatrais, concertos, feiras de bibliografia e equipamentos para astronomia de amadores e incentivou-se a produção e/ou tradução de obras de níveis e conteúdos diversificados sobre temas de Astronomia.

Naturalmente, da movimentação cultural que o Ano Internacional da Astronomia provocará em todo o mundo, são esperados inúmeros actos e reflexões sobre a presença da Astronomia nas culturas dos povos, ao longo dos séculos, em diversas regiões da Terra. Daí resultarão os primeiros factores que, certamente, vão conduzir à identificação e eventual classificação de «objectos» (relacionados com a Astronomia) como «património mundial».


*Texto inicialmente publicado no volume Annualia 2008-2009


Seguir blog do Público, aqui.

publicado por annualia às 16:26
link | comentar

Frank McCourt (1930-2009)

 

Escritor americano de ascendência irlandesa (Nova Iorque, 19.8.1930 – ibid., 19.7.2009), cuja infância em condições de miséria e doença, na Irlanda dos seus pais, descreveu no seu primeiro livro autobiográfico Angela’s Ashes. No regresso aos EUA, serviu no exército, após o que fez alguns estudos, conseguindo ser aceite na Universidade de Nova Iorque. Após a formação, tornou-se professor de «escrita criativa» no sistema escolar público de Nova Iorque durante quase três décadas. Quando se retirou, escreveu Angela’s Ashes (1996), ganhando o National Book Critics Circle Award, o Los Angeles Times Book Award, o ABBY Award e o Prémio Pulitzer, na categoria de biografia. O livro está hoje traduzido em dezassete línguas. A saga biográfica continuou com ‘Tis (1999) e Teacher Man (2005).

publicado por annualia às 11:50
link | comentar

Prémio Peter Pan/ Alice Vieira

A edição sueca de Flor de Mel, uma obra de literatura juvenil de Alice Vieira (publicada pela Lusima Böcker, com o título Honungsblomma), acaba de ser distinguida com a Estrela de Prata do Prémio Peter Pan, instituído em 2000 pelo IBBY da Suécia e pela Feira do Livro de Gotemburgo. A entrega do prémio acontecerá no próximo mês de Setembro. [via Bibliotecário de Babel]

Escritora portuguesa (n. Lisboa, 1943). Colaborou no suplemento juvenil do Diário de Lisboa e depois nas redacções do Diário Popular e do Diário de Notícias. Distinguida com os Prémios Ano Internacional da Criança (em 1979, pelo romance Rosa, Minha Irmã Rosa) ou Calouste Gulbenkian (em 1983, por Este Rei que Eu Escolhi; em 1994, pelo conjunto da sua obra), é uma das principais autoras nacionais de literatura infanto-juvenil. Entre os títulos da sua vasta obra contam-se: Paulina ao Piano (1979), A Espada do Rei Afonso (1981), Chocolate à Chuva (1982), Graças e Desgraças da Corte de El-Rei Tadinho (1984), Flor de Mel (1986), Viagem à Roda do Meu Nome (1987), , A Lua Não Está à Venda (1988), Úrsula, a Maior (1990), Leandro, Rei da Helíria (teatro, 1991), Promontório da Lua (1991), Se Perguntarem por Mim, Digam que Voei (1997).

 

publicado por annualia às 10:29
link | comentar
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

Verbo Clássicos: vinte e um títulos publicados

 


Ver o blog aqui.

Versão YouTube

 

 

 

publicado por annualia às 17:28
link | comentar
Domingo, 19 de Julho de 2009

Walter Cronkite (1916-2009)

 

Jornalista americano (Saint-Joseph, Missouri, 4.11.1916 - Nova Iorque, 17.7.2009) cuja carreira se iniciou nos anos 30, tendo chefiado o escritório da United Press, em Moscovo. Foi, depois, um dos primeiros a fazer reportagem durante o desembarque dos Aliados na Normandia. Nos anos 50, Cronkite aperfeiçoa o seu estilo de repórter em directo ao serviço da CBS, vendo a sua crescente fama atingir níveis enormes com o assassínio de John Kennedy, o qual é o primeiro a anunciar ao país. No final da década de 60, é o jornalista respeitado por todos que se declara contrário à Guerra do Vietname e propaga a convicção de que a guerra não pode ser ganha. Logo a seguir, foi ele que relatou em directo a primeira alunagem. Foi ainda o homem em que os americanos mais confiavam, segundo as sondagens, que marcou a opinião pública americana na sequência do caso Watergate, que culminaria com a demissão de Nixon. Em 1981 retirou-se oficialmente (era anchorman da CBS desde 1962), embora tivesse continuado a intervir com assiduidade na comunicação social.

publicado por annualia às 14:11
link | comentar
Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

17 de Julho: início da Guerra Civil de Espanha

A cronologia da Guerra Civil de Espanha inicia-se a 17 de Julho de 1937, data do pronunciamento militar em Melilla contra o governo da República.

 

Estudos sobre a Guerra Civil de Espanha aqui.

publicado por annualia às 16:53
link | comentar
Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

Natalia Estemirova (m. 15.7.2009)

Lassassinat de Natalia Estemirova indigne la communauté internationale
A activista dos direitos humanos, Natalia Estemirova, foi assassinada, depois de ter sido raptada. Estemirova, que foi próxima da jornalista Ana Politkovskaia, fazia para da ONG Memorial e investigou muitas violações aos direitos humanos na Tchechénia. Mais informações aqui.

publicado por annualia às 15:17
link | comentar

40 anos da missão Apolo 11

Clique sobre a imagem para ver o vídeo

publicado por annualia às 11:29
link | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO