Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

Homenagem a António Manuel Couto Viana

AntonioManuelCoutoVIana.jpg image by universos

Hoje às 17:30 h na Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

Intervenções de João Bigotte Chorão, José Valle de Figueiredo e António Leite da Costa.

 

 

publicado por annualia às 12:52
link | comentar

Verbo Clássicos nas livrarias

Clique para ver mais

 

 

publicado por annualia às 11:02
link | comentar
Sábado, 20 de Junho de 2009

Ralf Dahrendorf (1929-2009)

Sociólogo, politólogo e economista alemão (Hamburgo, 1.5.1929 - Colónia, 18.6.2009). Licenciou-se em Filosofia, Filologia Clássica e Sociologia na Universidade de Hamburgo e, em 1952, doutorou-se em Filosofia e Estudos Clássicos na mesma Universidade. Entre 1953 e 1954 realizou uma pós-graduação na London School of Economics. Foi professor de Sociologia nas Universidades de Hamburgo (1957-1960), Tubinga (1960-1964) e Constança (1966-1969). Em 1969, foi eleito deputado ao Parlamento alemão pelo Partido Democrático Livre, una formação política de índole liberal, e fez parte do primeiro governo de Willy Brandt, como secretário de Estado no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Em 1970, foi nomeado Comissário Europeu em Bruxelas. Continuou , apesar disso, a sua carreira académica, ocupando os cargos de director da London School of Economics (1974-1984), sendo decano do St. Anthony´s College, um centro de pós-graduação da Universidade de Oxford orientado para os estudos internacionais. Em 1988 adoptou a nacionalidade britânica e, em 1993, foi feito Lorde pela Rainha Isabel II, com o título de «Barão Dahrendorf of Clare Market in the City of Westminster». Desde então, integrou a Câmara dos Lordes britânica, sem no entanto pertencer a qualquer partido. Desde 2005 foi professor na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Berlim.
Entre os seus estudos destacam-se os seus contributos para as teorias do conflito social, que abordam questões como a necessidade de integração e ordem nas sociedades contemporâneas, defendendo o conceito de conflito como factor de mudança social. Insistiu na necessidade da Europa enfrentar os problemas que se lhe colocam, como os do Estado social, ou do bem-estar, e o desemprego. Ralf Dahrendorf recebeu mais de uma vintena de doutoramentos honoris causa por universidades do Reino Unido, da Irlanda, Bélgica, Itália e EUA, entre outras, e é autor de uma extensa obra escrita, que inclui Class and Class Conflict in an Industrial Society (1959), Conflict after Class (1967), Society and Democracy in Germany (1967), The New Liberty (1975), Life Chances (1979). Foi distinguido com o Prémio Príncipe das Astúrias, em 2007.
publicado por annualia às 11:08
link | comentar
Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

José Calvário (1951-2009)

O maestro e compositor José Calvário morreu, aos 58 anos, em Oeiras. Ver notícia do Público.

 

 

publicado por annualia às 09:08
link | comentar
Quarta-feira, 17 de Junho de 2009

Amanhã em Óbidos



Clique sobre as imagens para aumentar
 

publicado por annualia às 16:17
link | comentar

Stravinsky nasceu há 127 anos

  
Compositor russo, sucessivamente naturalizado francês e americano (Oranienbaum, 17.6.1882 - Nova Iorque, 6.4.1971). Estudou música com Rimski-Korsakov e, em 1910, compôs, para Diaghilev, três bailados que o notabilizaram imediatamente: O Pássaro de Fogo (1910), Petruchka (1911)e a Sagração da Primavera (1913), uma obra em que o ritmo parece procurar os seus limites com uma força elementar. Antes da I Guerra Mundial deixou definitivamente a Rússia. Fixou-se em Paris (tendo vivido na Suíça durante a guerra) e, em 1934, de novo nesta capital, adquiriu a nacionalidade francesa. Em 1939 instalou-se nos EUA e em 1945 naturalizou-se americano. Procurou dar à sua música uma expressão geral e objectiva conforme era seu propósito («a composição musical é a disposição de um número determinado de sons na correlação determinada dos intervalos»). A sua primeira composição electrónica, Pastoral, data de 1959. A sua obra, abundante e multifacetada, caracteriza-se, sobretudo, pela inspiração básica e pela precisão matemática, mas também pela comovente força de expressão que a anima, características que o tornam uma das personagens mais fascinantes e universais da vida musical do século xx.


Algumas composições:

Pulcinella (bailado, 1919)
Concerto Dumbarton Oaks (1938)
Symphony in Three Movements (1945)
Missa (1948)
The Rake’s Progress (ópera, 1951)
Septeto (1953)
Agon (bailado, 1957)
Threni (oratória, 1958)
Movimentos para Piano e Orquestra (1958-1959)
As Núpcias (para solistas, coro, quatro pianos e percussão, 1923)
Rei Édipo (ópera-oratória, 1927)
Apolon Musagète (bailado, 1928)
Sinfonia dos Salmos (para coro e orquestra, 1930 e1948)
Concerto Ebony (para orquestra de jazz, 1945)
In Memoriam Dylan Thomas (tenor, quarteto de cordas e quatro trombones, 1954)Canticum Sacrum (para solistas, coro e orquestra, 1956)


Stravinsky a dirigir Pássaro de Fogo: aqui.

publicado por annualia às 15:13
link | comentar

Prémio Príncipe das Astúrias de Investigação Científica e Técnica

 

MARTIN COOPER (n. Chicago, Illinois, 1928) licenciou-se em Engenharia Eléctrica em 1950. Pioneiro da indústria da comunicação sem fios, Cooper inventou em 1973 o primeiro telefone móvel portátil e supervisionou os dez anos de trabalho que foram necessários para introduzir aquele produto no mercado. Durante as quase três décadas que trabalhou para a Motorola, desenvolveu novos produtos que geraram um importante volume de negócio. Após abandonar essa empresa, co-fundou a Cellular Business Systems, que logo dominou o mercado dos telefones móveis. Em 1992, logrou un êxito similar à frente da ArrayComm, empresa de que é director executivo e com a qual desenvolveu o sistema de antenas inteligentes, outra grande revolução no mundo das comunições sem fios, com aplicações não só nos telefones móveis mas também no uso da Internet sem fios de longo alcance.
Colaborou com o Governo dos EUA para localizar novos espectros de radiofrequência e formulou a Lei da Eficiência Espectral, também conhecida como Lei de Cooper, que determina que o máximo de conversações de voz ou transacções de dados que podem circular numa área do espectro radiofónico se duplica a cada 30 meses. En 2002, Cooper recibeu o George R. Stibitz Computer and Communications Pioneer Award do Museu Americano do Computador e o Industry Leader Award-Wireless Systems Design.
 

RAYMOND SAMUEL TOMLINSON (n. Amsterdam, Nova Iorque, 1941) estudou no Instituto Politécnico Rensselaer da sua cidade natal, onde participou num programa da IBM. Formou-se em Engenharia Eléctrica en Rensselaer, em 1963, e continuou a sua formação no Instituto Tecnológico de Massachusets (MIT).
Em 1967 integrou a empresa tecnológica Bolt Beranek & Newman – hoje BBN Technologies –, na qual contribuiu para o desenvolvimento do sistema operativo TENEX, que incluía ARPANet e TELNET. Em 1971, desenvolveu a primeira aplicação de correio electrónico de ARPANet ao combinar satisfatoriamente os programas SNDMSG e CPYNET para enviar mensagens entre computadores. Elegeu o símbolo da arroba para distinguir os correios locais dos globais no endereço da mensagem. Pouco depois, a arroba converter-se-ia no ícone digital que hoje é.
O programa inicial de Tomlinson desencadeou uma revolução, já que rompeu as barreiras iniciais do futuro desenvolvimento do email, que rapidamente se tornou uma das aplicações mais utilizadas na rede e que, pela sua imediatez e baixo custo, soube adaptar-se à procura comunicacional das sociedades desenvolvidas.
Em 2000 recebeu o George R. Stibitz Computer Pioneer Award, do Museu Americano do Computador. Em 2001 foi distinguido com um prémio Webby da Academia Internacional de Artes Digitais e Ciências. Em 2002, a publicação de Discover Magazine foi responsável pela atribuição do Prémio de Inovação. Em 2004 partilhou com Dave Crocker o Institute of Electrical and Electronics Engineers Internet Award.

 
publicado por annualia às 12:14
link | comentar

Verbo Clássicos nas «Escolhas de Marcelo»

 

Emissão (RTP1) de 14 de Junho de 2009 (minuto 21:24)

Veja e ouça o programa aqui.

Blog da colecção aqui.

 

 

publicado por annualia às 03:05
link | comentar
Terça-feira, 16 de Junho de 2009

Padre Cruz: 150 anos do nascimento

 
 
Sacerdote português (Alcochete, 29.7.1859 - Lisboa, 1.10.1948, formado em Teologia em Coimbra, que se evidenciou não pela ciência mas pela sua entrega total às pessoas. Praticou heroicamente o que inculcava aos sacerdotes: «Confessar enquanto se apresentarem pecadores, pregar enquanto houver ouvintes, e rezar até já não se poder mais». Confessou e deu a primeira comunhão, em 1913, a Lúcia, de Fátima, e em Junho ou Julho de 1917 reziu com ela e com os outros dois pastorinhos o terço, dizendo-lhes que não temessem pois era Nossa Senhora quem lhes aparecia. Em 1940 fez-se jesuíta. A fama das suas virtudes e o seu poder diante de Deus fizeram que fosse tido por santo ainda em vida. O processo de beatificação iniciou-se em Lisboa, em 1951, e foi concluído em 1965. A aprovação dos escritos ocorreu a 30 de Dezembro de 1971. Sobre o processo de canonização veja aqui.

publicado por annualia às 09:52
link | comentar
Segunda-feira, 15 de Junho de 2009

Ano do centenário da morte de Francisco Taborda

 

Actor português (Abrantes, 8.1.1824 - Lisboa, 5.3.1909) cuja profissão começou por ser de tipógrafo, em Lisboa, e actor-amador, passando a dedicar-se exclusivamente ao teatro em 1846. Em 1852 inaugurou o Teatro do Ginásio, a que para sempre exclusivamente se vinculou e onde permaneceu enquanto pôde representar, recusando convites para actuar noutras salas de espectáculo mais importantes. Ídolo das plateias populares, desempenhou com enorme brilho personagens cómicas sobretudo de Molière como as do Misantropo e do Médico à Força, de Molière, com as quais se notabilizou. Realizou uma digressão pelo Brasil, onde obteve extraordinários êxitos. Um teatro com o seu nome foi inaugurado em 1870, ainda em vida do actor. Ver também aqui, aqui e aqui.

 

 

 

publicado por annualia às 15:49
link | comentar
Quinta-feira, 11 de Junho de 2009

Prémio Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades

 

A Universidade Nacional do México foi fundada em 1910, como instituição de ensino superior herdeira da Real Pontifícia Universidade do México, criada em 1551 segundo o modelo da Universidade de Salamanca. Em 1929, o Governo federal concedeu-lhe o actual estatuto de autonomia, adoptando então, também o seu nome actual de Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM). Hoje, tornou-se no principal centro de estudos superiores do México e um dos mais importantes da América Latina.
No campo das Humanidades, a UNAM destacou-se pela sua trajectória de abertura ao pensamento ibero-americano e como centro de acolhimento de destacados pensadores e professores espanhóis exilados na sequência da Guerra Civil. Os centros universitários que esta área de conhecimento compreende, como os institutos de Investigações Históricas, Filosóficas, Filológicas e Estéticas, produziram mais de 2700 livros, além de editarem 16 revistas periódicas.
A UNAM está encarregada de gerir a Biblioteca Nacional e a Hemeroteca Nacional, tendo a sua própria rede de 141 bibliotecas. Irradia uma ampla actividade cultural expressa em múltiplas facetas, como é o caso das suas orquestras filarmónica e sinfónica; uma emissora de rádio e un canal de televisão; a filmoteca mais importante do país; o Centro Universitário de Estudos Cinematográficos, que é a escola de cinema mais antiga da América Latina e uma rede de museus universitários com um amplo espectro temático. A UNAM tem um portal digital institucional e muitos outros correspondentes aos seus centros, que a colocaram no primeiro lugar da Iberoamérica. Das suas salas de aula saíram os três mexicanos galardoados com o Prémio Nobel e oito dos dez que receberam o Prémio Príncipe das Astúrias. O seu campus principal na capital mexicana, a Cidade Universitária, inaugurada en 1954, foi declarada Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, em 2007, como exemplo de conjunto monumental do modernismo do século xx.

 

publicado por annualia às 11:34
link | comentar
Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

Camões

Clique na imagem para ter acesso às belas capas inéditas

da edição de Os Lusíadas na colecção Verbo Clássicos.
 

publicado por annualia às 09:17
link | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO