Quinta-feira, 5 de Março de 2009

Livros e mentiras

Uma sondagem levada a cabo pelo site britânico World Book Day revelou que dois terços dos inquiridos já mentiram sobre livros que leram, sendo o 1984 de George Orwell (42 por cento) e o Guerra e Paz de Leo Tolstoi (31 por cento), seguido do Ulisses de James Joyce (25 por cento), aqueles que mais pessoas tinham dito que leram sem ser verdade.
A razão da mentira, na maior parte dos casos, era simples: impressionar o interlocutor.
[ler no Público]

publicado por annualia às 21:56
link do post | comentar

O livro e a leitura

Zeferino Coelho (Caminho), Guilherme Valente (Gradiva) e João Miguel Guedes (Verbo) em conversa sobre livros, aqui (Clube de Imprensa, RTP 2).

[via Blogtailors]

publicado por annualia às 21:44
link do post | comentar
Quarta-feira, 4 de Março de 2009

Jan Vladislav (1923-2009)


Poeta, ensaísta, tradutor e editor checo (Hlohovec, Eslováquia, 1923 – Praga, República Checa, 3.3.2009). Em 1948, após a tomada de poder pelos comunistas, foi expulso da Universidade por razões políticas. Impedido de publicar, dedicou-se à tradução e à literatura infantil. Em 1968, fundou Kvart, uma editora clandestina. Foi também um dos primeiros signatários da «Carta 77». Obrigado a abandonar o país, instalou-se em França, em 1981, onde dirigiu um seminário sobre a cultura dos países da Europa Central na
École des Hautes Études en Science Sociales, regressando a Praga em 2003. Galardoado com a Ordem de T. G. Masaryk (1991), a medalha das Artes e da Literatura do Estado francês (1991) e o prémio de carreira do PEN Clube. Em 2001, recebeu o Prémio de Tradução patrocinado pela Estado checo.

Os intelectuais e o poder por Jan Vladislav


 

publicado por annualia às 15:05
link do post | comentar

Centenário de Soeiro Pereira Gomes


Escritor português (Gestaçô, 14.4.1909 - Lisboa, 5.12.1949), regente agrícola de formação. Publicou, em 1941, o romance Esteiros, um livro triste e sensível (escrito «para os filhos dos homens que nunca foram meninos»), considerado uma das obras clássicas do neo-realismo português, de que foi uma das primeiras figuras. Militante comunista, a sua obra, publicada postumamente e constituída por Refúgio Perdido (contos, 1950), Engrenagem (1951), Contos Vermelhos (1951) e Contos e Crónicas (1961), reflecte a sensibilidade social que advém dessa militância e a mundividência que lhe subjaz.

 

publicado por annualia às 10:35
link do post | comentar | ver comentários (1)

Duplo centenário: Maurice Bardèche e Robert Brasillach


Maurice Bardèche
Escritor francês (1909–1998), crítico de cinema e literatura, que após a II Guerra Mundial se tornou o mentor dos intelectuais franceses nacionalistas, tendo dirigido a revista Défense de l’Occident, onde se revelou como combativo polemista político. Em 1961 publicou um ensaio muito pessoal, Qu'est-ce que le Fascisme?, que, contra ideias feitas, apresenta como genuínos fascismos certos movimentos de esquerda, do nasserismo ao castrismo. Anotou a edição das obras completas de Robert Brasillach, seu cunhado, em colaboração com o qual escreveu uma Histoire du cinéma e uma Histoire de la Guerre d’Espagne. Estudou autores como Balzac, Stendhal, Proust, Flaubert, Céline e Bloy. Em 1993 publicou Souvenirs.

Robert Brasillach
Cronista, tradutor, poeta, romancista e ensaísta francês (1909-1945), cujas simpatias pelo fascismo o levaram, no final da guerra, à prisão. Acusado de colaboracionismo, fo julgado e condenado à morte, tendo sido fuzilado no final da II Guerra Mundial, apesar de uma larga campanha pela clemência subscrita por escritores e intelectuais de várias sectores ideológicos e políticos. Autor dos romances Le Voleur d'Etincelles (1932), L'Enfant de la Nuit (1934), Le Marchand d'Oiseaux (1936), Comme le Temps passe (1937), Les Sept Couleurs (1939), La Conquérante (1943), Six Heures à perdre (1953), publicou uma Histoire du Cinéma (1935, de colaboração com Maurice Bardèche) e de ensaios sobre Virgílio (1931) e Corneille (1938), entre outros.


 

 

publicado por annualia às 10:10
link do post | comentar

Filosofia Extravagante

Cadernos de Filosofia Extravagante

 

Ver texto de apresentação aqui.

publicado por annualia às 09:10
link do post | comentar
Terça-feira, 3 de Março de 2009

Céline/ trilogia: e vão dois...

 

                                      Norte estará à venda em Abril: esteja atento.


publicado por annualia às 15:59
link do post | comentar

Capas de livros

«Claro que um livro imprestável que tenha uma capa fabulosa continua a ser um livro que não presta. [Não devemos esquecer] que o conteúdo é rei; os leitores comprarão um livro embrulhado em papel de jornal se estiverem mortos por conhecer o seu conteúdo. Porém, é bom que sejamos lembrados de que o livro impresso, como produto da vida civilizada, ainda é -- e sempre será -- um objecto de desejo.»

 

Robert McCrum aqui.

[via Blogtailors e Livro de Estilo]



publicado por annualia às 15:29
link do post | comentar

Barão Haussmann: 200 anos do nascimento

 

O nome de Georges Eugène Haussmann (Paris, 27.3.1809 - ibid., 12.1.1891), prefeito do Sena entre 23.6.1853 e 5.1.1870, é sinónimo das tranformações observadas em Paris, durante o Segundo Império, que deram à capital francesa o rosto que, de uma forma geral, hoje ainda apresenta. O barão Haussmann fez um largo percurso municipal, de Lot-et-Garonne a Nérac (1832), de l’Ariège a Saint-Girons (1840), da Gironde a Blaye (1841), Var (1849) e, por fim, Yonne (1850). A transformação de Paris que gizou e conduziu inspiraram-se nas teorias higienistas que remontavam ao século anterior, com o objectivo de melhorar a circulação do ar e das pessoas, numa cidade que em meados do século XIX era ainda sombria e de estreitos arruamentos. Os trabalhos de renovação nem sempre foram pacíficos e alguns rodearam-se de polémica, nomeadamente quanto ao deslizamento dos custos. Porém, a posteridade rende-lhe a homenagem de ter modernizado Paris através de um plano grandioso que foi simultaneamente urbano e político.
Paris-1.jpg picture by napolit
publicado por annualia às 09:52
link do post | comentar

Padre Manuel da Costa Freitas sobre a Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé

O coordenador da edição portuguesa da Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé, Padre Manuel da Costa Freitas, em entrevista: «Não há contradição entre fé e razão!»
[clicar nas fotos]

publicado por annualia às 09:14
link do post | comentar
Segunda-feira, 2 de Março de 2009

Henrique Pousão: 150 anos do nascimento

 
Pintor português (Vila Viçosa, 1.1.1859 - ibid., 20.3.1884) que estudou na Academia Portuense de Belas-Artes, da qual foi pensionista em Paris (1880). Aí contraiu tuberculose, o que o leva a refugiar-se, primeiro na Bretanha e depois em Roma e Nápoles, onde esperava condições climáticas mais favoráveis ao seu estado de saúde. Instalado na ilha mediterrânica de Anacapri, regressando à terra natal onde morreu enquanto pintava.
A sua obra não é extensa, dada a brevidade da sua vida, mas é reconhecidamente de grande qualidade. A sua notável capacidade de pintar a luz fez com que Pousão fosse posteriormente tido como adepto do impressionismo, embora tal pretensão pareça não ter fundamentos reais. Como afirmou Flórido de Vasconcelos «a maneira como Henrique Pousão sente a luz e a interpreta nos seus quadros, tornando as cores luminosas e vivas, é de uma originalidade extrema e de um encanto perene, que não precisa de rótulos escolares para se impor por si só».
O seu fascínio pela luz parece relacionar-se com a memória do Sul, lugar de nascimento e morte. Sobre este aspecto da pintura de Pousão, escreveu Diogo de Macedo: «A cal do casario, os verdes dos cactos e das piteiras, o azul prússico do mar e o opalino dos céus tomavam luminosidades que davam riqueza às telas de grande cenário. Preciosas, por contraste, eram as cores queimadas e os tons complementares onde a luz se intrometia, emprestando coloridos imprevistos nos objectos, conseguindo quase violências de certos pormenores, que mais carácter davam aos motivos eleitos, provocando qualidades de esmalte nas claridades das tábuas, frescuras de porcelana que, segundo gostos em voga, eram marcadas com delicadeza de japonesismos.»

 
A Casa de Persianas Azuis
1883 (?), óleo sobre madeira
28,5 x 25,6 cm
Museu Nacional Soares dos Reis
Porto, Portugal

Senhora Vestida de Negro
1882, óleo sobre madeira
28,5 x 18,5 cm
Museu Nacional de Sores dos Reis
Porto, Portugal.

 

 

publicado por annualia às 10:23
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO