Quinta-feira, 22 de Outubro de 2009

Prémio Sakharov 2009

«A organização russa de defesa dos direitos humanos Memorial venceu o Prémio Sakharov 2009, atribuído pelo Parlamento Europeu. É um prémio pela liberdade de expressão no valor de 50 mil euros que agora será atribuído em Estrasburgo a Lyudmila Alexeyeva, Oleg Orlov e Serguei Kovalev em nome da Memorial e “de todos os defensores dos direitos humanos na Rússia”.» Via Público.
Annualia fez referência à organização Memorial a propósito do assassínio de Natalia Estemirova, jornalista e membro daquela organização: aqui.

publicado por annualia às 15:08
link do post | comentar
Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

Natalia Estemirova (m. 15.7.2009)

Lassassinat de Natalia Estemirova indigne la communauté internationale
A activista dos direitos humanos, Natalia Estemirova, foi assassinada, depois de ter sido raptada. Estemirova, que foi próxima da jornalista Ana Politkovskaia, fazia para da ONG Memorial e investigou muitas violações aos direitos humanos na Tchechénia. Mais informações aqui.

publicado por annualia às 15:17
link do post | comentar
Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

Vasily Aksyonov (1932-2009)

 Vasily Aksyonov, Russian dissident writer
Escritor russo (Kazan, 1932 – Moscovo, 6.7.2009) que alcançou proeminência no breve período de abrandamento do regime soviético que se seguiu à morte de Estaline. Os pais tinham sido vítimas das purgas estalinistas de 1937 e Aksyonov passou parte da infância no gulag. Em 1956 licenciou-se em Medicina, que exerceu enquanto florescia a sua vocação de escritor. Inicialmente, o escritor conseguiu sobreviver no interior do regime soviético, alcançando mesmo alguma notoriedade, sobretudo pela suas capacidade estilística, mas tanto a sua atitude pessoal como a sua escrita conduziram-no a uma progressiva dissidência. No romance «A ilha de Crimeia» imagina o que teria sido a vida naquela península do mar Negro se os russos brancos tivessem vencido os bolcheviques. Em 1980, após a publicação em Itália do romance «A queimadura», Aksyonov foi forçado ao exílio nos EUA, onde foi professor e continuou a escrever obras como In Search of Melancholy Baby, onde fala da sua experiência de emigração, The Negative of The Positive Character, uma colectânea de contos, ou o épico Generations of Winter, no qual narra o impacto do estalinismo numa família moscovita ao longo de três gerações e que foi transposto para televisão, na Rússia, em 2004.

 


 

publicado por annualia às 10:05
link do post | comentar
Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

Oleg Iankovski (1944-2009)

Actor (Casaquistão, União Soviética, 23.2.1944 – Moscovo, Rússia, 20.5.2009) cujo carisma fez com que fosse unanimente reconhecido como uma das últimas grandes figuras do cinema russo. Estudou em Saratov, onde pertenceu à companhia do teatro Slonov, integrando, a partir de 1973, o teatro Lenkom, em Moscovo. Conhecido no Ocidente sobretudo pelo seu desempenho em Zerkalo (1974) e Nostalghia (1983), de Andrei Tarkovski, Oleg Iankovski foi premiado na União Soviética em 1983, pela sua carreira, e, posteriormente, pelas suas interpretações nos filmes Polyoty vo sne I nayavu (1982, de Roman Balayan) e Kreytserova sonata (1987, de Sofiya Milkina e Mikhail Shvejtser). Em 1991 foi nomeado Artista do Povo da União Soviética. O último filme em que participou foi Tsar (2009, de Pavel Lungine), que foi exibido na edição do Festival de Cannes que ainda decorre.

 

TSAR de pavel lounguine - photo 1

Tsar, de Pavel Lungine

publicado por annualia às 10:02
link do post | comentar
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

150 anos do nascimento de Cholem-Aleikhem

  

 

Escritor judeu, cujo nome aparece se grafa também Sholem-Aleichem(Pereyaslav, hoje Ucrânia, 2.3.1859 - Nova Iorque, 13.5.1916) de língua yiddish, de seu verdadeiro nome Chalom Rabinovitch e cujo pseudónimo corresponde a uma saudação hebraica que significa «a paz esteja convosco». Rabino desde os 21 anos, escreveu novelas, contos e comédias, num total de 40 de volumes. Em 1905 viu-se obrigado a abandonar a Rússia. Esteve na Inglaterra, EUA, Alemanha, Itália, Suíça e, com o começo da I Guerra Mundial, de novo nos EUA. Devido ao seu humor e à linguagem oral, é o escritor mais popular de toda a literatura yiddish. Retrata com mestria a vida do dia-a-dia, minuciosamente observada, com  humor, expressa através de uma fascinante oralidade.


Ver também aqui

publicado por annualia às 15:07
link do post | comentar
Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2009

Gógol: comemoração do bicentenário do nascimento


Por ocasião do bicentenário do nascimento de Nikolai Gógol, o comité literário franco-russo organiza, em Abril, um festival literário e musical em Paris. 
Consulte o programa literário aqui e o musical aqui.

publicado por annualia às 10:25
link do post | comentar
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2009

2009, ano do bicentenário de Gógol


Escritor russo de origem ucraniana (Sorotchinsky, 1809 - Moscovo, 1852). Em 1828 partiu para São Petersburgo onde se iniciou como escritor. O encontro com Púchkine, que o aconselha, é determinante: em 1831, publica o seu primeiro livro, Serões da Herdade perto de Dikanka, imediatamente distinguido, mas é Mirgorod (1835) que o torna célebre. Tanto um como outro são compilações de novelas, ao mesmo tempo realistas e poéticas, cuja temática se baseia no folclore ucraniano. Em Arabescos (1835) encontram-se alguns ensaios e contos (Os Contos de São Petersburgo) de inspiração fantástica: A Perspectiva Nevski, O Diário de Um Louco, o Retrato, e, mais tarde, O Nariz e O Capote. Tarass Bulba (1834) é uma novela de inspiração histórica, mas Almas Mortas (1842) é que é considerada por muitos a sua obra-prima. O Inspector-Geral (1836), sendo uma sátira aos funcionários da província, tem, todavia, um valor universal.

 

Não perca o texto de António Carlos Carvalho em ANNUALIA 2008-2009.

Rosto da edição original de O Inspector-Geral.

 

publicado por annualia às 17:35
link do post | comentar
Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

Annualia 2008-2009 / Temas em Debate

Afinidades entre palavras do português e do russo

por

Brian F. Head (Universidade do Minho) 

Larisa Semënova (Universidade de Moscovo)

 

«Em face do grau apreciável do aumento recente do uso do russo em Portugal, tornam-se mais relevantes, no contexto do presente perfil sociolinguístico do País, a aprendizagem do russo, por um lado, e, por outro, a curiosidade sobre as relações entre o russo e o português».

 

 

 

 

 

 

publicado por annualia às 09:50
link do post | comentar
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Tchinguiz Aitmatov (1928-2008)

Escritor quirguize (Cheker, Quirguizistão, 12.12.1928 - Nuremberga, Alemanha, 10.6.2008). O seu pai foi executado durante as depurações estalinistas de 1937. Agrónomo e jornalista, as suas obras estão impregnadas de tradição e elementos quirguizes, não deixando de contrapor a moral tradicional ao presente desumanizado. A obra emblemática do escritor é a novela Djamila, publicada em 1958 e que Aragon classificou como «a mais bela história de amor do mundo» (traduções portuguesas na Portugália, 1972, e Relógio d'Água, 1991). O regime soviético acolheu e reconheceu o seu trabalho, premiando-o por diversas vezes. Em 1978, tornou-se «herói do trabalho socialista», embora a sua entrada na política apenas tenha acontecido com o apoio à perestroika de Gorbatchev. Depois do desaparecimento da URSS, foi embaixador junto da UE e da NATO. Entre os seus livros traduzidos para português estão O Lugar da Caveira, A mãe Tolgonai, O Navio Branco. Actualmente está em fase de adaptação ao cinema o seu romance Um dia mais longo que um século.

 

publicado por annualia às 16:10
link do post | comentar
Segunda-feira, 3 de Março de 2008

Datas perdidas

O Tratado de Brest-Litovsk, assinado em 3 de Março de 1918, foi celebrado entre a Rússia soviética e as potências centrais (Alemanha, Áustria-Hungria e Itália) e garantiu a independência aos territórios sob domínio russo na Polónia e no mar Báltico, à Ucrânia e à Finlândia.
A Alemanha reclamava o estatuto independente para essas regiões desde o final de 1917 e foi essa reivindicação que levou ao rompimento de negociações em Novembro daquele ano. Entretanto, com o avanço das tropas alemãs aqueles termos tornaram-se aceitáveis para a Rússia de Lénine, que assim se afastou do esforço de guerra dos Aliados. A independência daqueles territórios servia as potências centrais por constituirem um «tampão», mas a Alemanha esperava que ele pudessem vir a cair sob a sua alçada. Esta expectativa, porém, gorou-se com o Armísticio (Novembro de 1918) que pôs fim à I Guerra Mundial, que impôs o domínio das forças aliadas e obrigou à desmilitarização da Alemanha.
Os soviéticos recuperariam a Ucrânia logo em 1919 e, depois do Pacto Germano-Soviético de 1939, retomaram os territórios polacos e os países bálticos (Estónia, Lituânia e Letónia).

 

Pode ler o texto do Tratado de Brest-Litovsk aqui.

 

 

publicado por annualia às 13:42
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio Sakharov 2009

Natalia Estemirova (m. 15...

Vasily Aksyonov (1932-200...

Oleg Iankovski (1944-2009...

150 anos do nascimento de...

Gógol: comemoração do bic...

2009, ano do bicentenário...

Annualia 2008-2009 / Tema...

Tchinguiz Aitmatov (1928-...

Datas perdidas

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO