Terça-feira, 27 de Outubro de 2009

Pierre Chaunu (1923-2009)

Historiador francês (Belleville-sur-Meuse, 17.8.1923 - Caen, 22.10.2009) criador do conceito de «história serial». «É uma história quantitativa globalizante que integra o facto histórico em séries homogéneas, de modo a estudar melhor a evolução de um determinado lapso de tempo, através de uma análise matemática», na formulação de António Leite da Costa na Enciclopédia Verbo. «Mas, para Pierre Chaunu, a História Serial engloba todas as histórias quantitativas, ultrapassando a tradicional história económica e a recente demografia histórica, partindo à conquista de outros domínios da História, onde, aparentemente, a utilização de séries e a sua interpretação matemática parecia ter menos cabimento. É, sobretudo, nos anos 60 e 70 que surgem, em França, teses demonstrativas do valor e da importância da História Serial. Desde a monumental tese do próprio Pierre Chaunu sobre Sevilha e o Atlântico, notável estudo de história económica onde se cruzam a história social e a história demográfica (...)»

Algumas obras: Séville et l'Atlantique, 1504-1650 (12 volumes, 1955-1960); L'Amérique et les Amériques de la préhistoire à nos jours (1964); La Civilisation de l'Europe classique (1966); L'Expansion européenne du XIIIe et XVe siècles (1969); La Civilisation de l'Europe des Lumières (1971); L'Espagne de Charles Quint (1973); Démographie historique et système de civilisation (1974); Histoire, science sociale (1974); De l'histoire à la prospective, (1975); La Mort à Paris, XVIe et XVIIe siècles (1978); Histoire quantitative, histoire sérielle (1978), Un futur sans avenir, Histoire et population (1979); Histoire et imagination. La transition (1980); Église, culture et société. Réforme et Contre-Réforme (1517-1620) (1980); Histoire et décadence (1981); Pour l'histoire (1984); Apologie par l'histoire (1988); Colomb ou la logique de l'imprévisible (1993); Des curés aux entrepreneurs : la Vendée au XXe siècle (2004); Le livre noir de la Révolution Française (2008).

publicado por annualia às 00:28
link do post | comentar
Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

II Guerra Mundial começou há 70 anos

O mal-estar generalizado na Europa remontava à I Guerra Mundial, que não trouxera qualquer solução aos conflitos existentes e deixara o continente retalhado por fronteiras absurdas. O período entre as duas constituiu com efeito uma paz armada, perturbada por múltiplas agressões. A Sociedade das Nações entrou no ocaso, rebentaram conflitos por todo o mundo (Etiópia, Espanha; o Japão ataca a China). As grandes crises que se sucederam conduziriam inevitavelmente à guerra. A Espanha servira de campo de experiências aos armamentos e estratégias modernas; o Japão, vencedor na China, alinhou no campo das ditaduras; Hitler anexou sem resistência países vizinhos (Áustria, Checoslováquia). Os blocos que iriam defrontar-se estavam formados. Estaline, sentindo a ameaça que Hitler representava para a URSS, promoveu a conclusão de um acordo: a 23.8.1939 os enviados dos dois governos — Molotov e Ribbentrop — assinaram o Pacto Germano­Soviético, que permitiu ao ditador alemão desencadear a guerra.

Na madrugada de 1.9.1939, as tropas alemãs invadiram a Polónia, que a URSS atacou a 17. A Inglaterra e a França, garantindo a integridade das fronteiras polacas, declararam guerra à Alemanha (3 de Setembro). Varsóvia caiu a 27 de Setembro, e a Polónia desapareceu como Estado independente. Incapazes de acudir à Finlândia, atacada pelos Russos (sucumbiu em Março de 1940), os Aliados tentaram em vão impedir os Alemães de dominarem o tráfego do ferro sueco, invadindo a Dinamarca e a Noruega (22 de Março). A 10 de Maio os Alemães desencadearam uma ofensiva fulgurante sobre a Bélgica e Holanda, onde a resistência cessou cinco dias depois. Tropas aliadas foram em socorro dos países atacados. Quarenta divisões alemãs atacaram as Ardenas, atravessaram o Mosa. Tendo os Belgas capitulado, a penetração alemã bloqueou em Dunquerque as tropas franco-britânicas, que dificilmente conseguiram reembarcar para Inglaterra. A 6 e 7 de Junho os Alemães romperam a linha defensiva apressadamente organizada por Weygand, e invadiram a França. Foi então que a Itália declarou a guerra aos Aliados (10 de Junho). Paris estava sob a autoridade do governo Deutz, enquanto 2/3 do território francês foram ocupados pelo inimigo. Pétain assinou um armistício (22-24 de Junho) que deixou à França uma zona não ocupada, as suas colónias, a sua armada (enquanto colocadas sob a autoridade do Governo de Vichy) e um exército reduzido.

Todas as forças alemãs estavam agora prontas a atacar a Inglaterra, último baluarte da resistência ao nazismo, onde o general De Gaulle tentava reagrupar franceses que queriam prosseguir a luta. Para preparar um desembarque, os 2269 aviões de Hitler atacaram as bases do Sul e Leste de Inglaterra, e seguidamente martelaram Londres e as grandes cidades. Os Ingleses não cederam (Batalha de Inglaterra, Agosto-Dezembro de 1940).


 

publicado por annualia às 10:41
link do post | comentar
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Hoje


 

publicado por annualia às 10:33
link do post | comentar
Quinta-feira, 23 de Abril de 2009

DIA MUNDIAL DO LIVRO


 

  Clique nas imagens para aumentar
 

 

publicado por annualia às 10:38
link do post | comentar
Sexta-feira, 6 de Março de 2009

Dr. Alfredo da Costa: 150 anos do nascimento

 Dr. Manuel Vicente Alfredo da Costa

Professor e cirurgião português (Margão, Estado Português da Índia, 28.2.1859 – Lisboa, 2.4.1910), precursor em Portugal da assistência materno-infantil. Professor da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, foi distinto cirurgião. A sua preocupação fundamental foi, porém, a criação em Portugal da assistência materno-infantil. Foi sócio da Academia de Ciências de Lisboa (1892), da Sociedade de Geografia (1893) e da Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, da qual foi presidente e membro benemérito (1906). Deixou devidamente elaborado o plano geral de uma maternidade em Lisboa, seu grande sonho, que no entanto não chegou a ver realizado. O projecto da Maternidade Dr. Alfredo da Costa ficou concluído em 1914, mas a sua inauguração apenas se efectuou a 5.12.1932.

publicado por annualia às 10:00
link do post | comentar
Quinta-feira, 5 de Março de 2009

2009: 150 anos da morte da rainha D. Estefânia

Frederica Guilhermina Antónia de Hohenzollern Sigmaringen, a rainha D. Estefânia (Krauchenwies, Sigmaringen, 1837- Lisboa, 1859) habitou em Düsseldorf, onde seu pai, príncipe Carlos António, ocupava um alto posto militar, depois de ter renunciado aos seus estados a favor do rei da Prússia, antes de se casar com D. Pedro V (o tratado antenupcial foi assinado em 8.12.1857 e ratificado em 19.2.1858), culta, inteligente e bondosa, as suas cartas — publicadas em 1922 — constituem não só um interessante documento sobre Portugal, a Corte e a personalidade de D. Pedro V, como ainda o claro testemunho das qualidades desta rainha, que num curto reinado de 14 meses soube conquistar o afecto dos portugueses. D. Pedro V fundou o hospital D. Estefânia em sua memória. Está sepultada em S. Vicente de Fora.

 


Leia aqui sobre D. Estefânia, a sua chegada e permanência em Portugal.


 

publicado por annualia às 22:23
link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

Introdução à Política. O Poder na História


O Poder na História é o título do primeiro volume da Introdução à Política
de António Marques Bessa e Jaime Nogueira Pinto.
Nele se observa e documenta a evolução das diversas concepções de Poder e de Política, desde as remotas teocracias orientais, a Grécia antiga e a Roma imperial até ao «Tempo das Revoluções» --  a Inglesa de 1640, a Francesa de 1789 e a Russa de 1917.

Uma edição Verbo.

 

*Capa de Magda Macieira Coelho.

publicado por annualia às 16:30
link do post | comentar

Os autores?


António Marques Bessa é doutorado em Ciências Sociais e é vice-presidente do Conselho Pedagógico do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas e coordenador institucional do programa Erasmus-Sócrates. Dirige o Centro de Estudos de Geopolítica do ISCP. Publicou entre outras obras: Dicionário Político do Ocidente, Introdução À Etologia e O Olhar de Leviathan.

Jaime Nogueira Pinto é doutorado em Ciências Sociais pelo Instituto de Ciências Sociais e Políticas no qual lecciona Ciência Política e Relações Internacionais. É presidente do Conselho de Administração da Fundação Luso-Africana para a Cultura. Entre as obras publicadas, refiram-se O Fim do Estado Novo e as Origens do 25 de Abril e
A Direita e as Direitas.

publicado por annualia às 15:30
link do post | comentar
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

National Book Awards/ Não Ficção


Annette Gordon-Reed é professora da New York Law School e professora de História na Rutgers University. É autora de Thomas Jefferson and Sally Hemings: An American Controversy, organizadora de Race On Trial: Law and Justice in American History, e co-autora, com Vernon Jordan, de Vernon Can Read: A Memoir. Gordon-Reed formou-se no Dartmouth College e na Harvard Law School.

Este romance épico conta a história dos Hemingses, cujo sangue se liga ao terceiro presidente dos EUA, e que tem sido sistematicamente expurgada da história americana. A historiadora e professora de direito, Annette Gordon-Reed, acompanha a família Hemings desde a sua origem setecentista, na Virgínia, até à dispersão dos seus membros depois da morte de Jefferson, em 1826. The Hemingses of Monticello traça a saga da família tendo como cenário de fundo a Revolução americana, Paris nas vésperas da sua própria revolução, a Filadélfia dos anos 1790, e a vida na plantação de Monticello.

 
publicado por annualia às 15:21
link do post | comentar
Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

Datas perdidas

A conquista de Constantinopla pelos Turcos Otomanos chefiados por Maomé II, a 29 de Maio de 1453, representou o fim do Império Romano do Oriente e, para muitos, assinala o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna.

A antiga Bizâncio, tomou o nome de Constantinopla, «cidade de Constantino», quando este imperador resolveu transformá-la numa nova Roma (323-330), para a qual transferiu a sede do Império e onde passou a residir. Tornou-se, mais tarde (395), a capital do Império Romano do Oriente ou Império Bizantino.

Constantinopla gozou de um estatuto especial desde o tempo de Constantino, que confiara a sua administração a um «arconte», ao qual dera, posteriormente, o título de «procônsul». O imperador Constâncio transferiu as suas funções para um «prefeito da cidade», que se manteve durante todo o Império, membro do Senado, dispunha de jurisdição civil e criminal sobre a cidade e arredores.

Em 29.5.1453, Constantinopla caiu em poder dos Turcos com todo o Império. A autoridade soberana, política e religiosamente, passou a ser o «sultão», Senhor absoluto, dotado de poderes ilimitados, governando através dos «quatro pilares do Estado», os seus ministros, o primeiro dos quais é o «grão vizir», seu lugar-tenente e chefe supremo de todos os serviços administrativos.

Com a conquista, os turcos bloquearam as milenares rotas de comércio entre a Europa e o Oriente.

 

 

publicado por annualia às 08:34
link do post | comentar
Terça-feira, 6 de Maio de 2008

Datas perdidas: primeiro selo da história moderna

untitled

 

Foi posto a circular no dia 6 de Maio de 1840 o primeiro selo do mundo com as características dos selos que hoje conhecemos: de preço fixo, pré-pago e com o verso preparado para ser colado. Conhecido como «Penny Black», foi criado por Rowland Hill e iniciou a longa série de selos ingleses com a efígie de perfil da rainha Vitória.

 

publicado por annualia às 19:38
link do post | comentar
Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Tratado de Saragoça

«Se olharmos para o planisfério português anónimo de 1502 (dito Cantino), tomando como escala da medida de um grau equatorial a distância entre os trópicos e o equador, veremos que, mesmo com as dificuldades referidas, está praticamente certa a largura do continente africano e a distância à Índia. Imaginando que as viagens sequentes, até Malaca, Banda e Molucas, deram uma noção (mesmo que vaga) do espaço percorrido, é impossível não pensar que os próprios portugueses foram tomando consciência do problema diplomático que vinha a caminho, quando os espanhóis percebessem até onde estavam a navegar os navios nacionais. Em boa razão, a disputa estava latente desde Tordesilhas, desencadear-se-ia mais dia ou menos dia, e foi nessa base que Magalhães apresentou o seu projecto a Carlos V, que não hesitou em aceitá-lo.

Os dois reinos decidiram, então, reunir uma “junta de especialistas” que debateriam o problema da delimitação oriental das suas zonas de influência, de forma a acordar a quem caberia a posse das longínquas Molucas, cujo comércio se revelava com valor significativo. Essa junta reuniu-se de 11 de Abril a 31 de Maio de 1524, sobre a ponte do rio Caia, entre Elvas e Badajoz, mas os resultados concretos foram absolutamente nulos, como seria de esperar.

D. João III sabia que não era possível fazer a delimitação com base em “verdades geográficas” incontestáveis, de forma que deu instruções para que fosse recusada toda a argumentação de cartógrafos e cosmógrafos, afirmando a sua soberania com base numa presença, de facto, desde há mais de uma década. Era um argumento juridicamente importante desde que tivesse força política para o impor, ou, por outras palavras, desde que Carlos V não estivesse disposto a combater pelas Molucas, o que era o caso. Nenhuma das partes queria que a dissidência resultasse em conflito violento, pelo que uma solução política era possível. Provisoriamente, ficou aceite que os direitos de comércio nas Molucas seriam portugueses, mediante o pagamento de 40 000 ducados anuais, que (ainda por cima) ficavam por conta do dote de D. Catarina, ainda em dívida a Portugal. E este foi o acordo imediato que se seguiu à “conversa de surdos” que foi a Junta de Badajoz-Elvas. Em 1529, com o tratado de Saragoça*, foi concedida a posse definitiva do comércio das Molucas a Portugal, pela quantia de 350 000 ducados.

Não é certo que Portugal tenha pago esta quantia na totalidade e, hoje, pouco importa saber que as Molucas estavam, de facto, no hemisfério português, pela insignificante diferença de cerca de dois graus. O assunto, aliás, viria a perder importância nas últimas décadas do século XVI, fosse pela união das coroas ibéricas, fosse porque o comércio do cravo nunca atingiu a importância que se chegou a pensar.»

Luís Jorge Semedo de Matos, Navegações Portuguesas, Instituto Camões

*O Tratado de Saragoça foi assinado em 22 de Abril de 1529 pelo rei D. João III e o imperador Carlos V.

 

Photobucket - Video and Image Hosting

 

 

publicado por annualia às 07:43
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Pierre Chaunu (1923-2009)

II Guerra Mundial começou...

Hoje

DIA MUNDIAL DO LIVRO

Dr. Alfredo da Costa: 150...

2009: 150 anos da morte d...

Introdução à Política. O ...

Os autores?

National Book Awards/ Não...

Datas perdidas

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO