Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Prémio Nobel da Economia 2009

Nobel Prize® medal - registered trademark of the Nobel Foundation
Elinor Ostrom demonstrou como a propriedade comum pode ser gerida com êxito por associações de utilizadores. Oliver Williamsom desenvolveu uma teoria em que as empresas servem como estruturas de resolução de conflitos. Ao longo das últimas três décadas, estes contributos seminais colocaram a investigação sobre a governança económica no centro da atenção dos cientistas.

As transacções económicas têm lugar não só nos mercados, mas também no interior das empresas, das associações, das famílias e das agências. Enquanto a teoria económica tem feito luz, de forma abrangente, sobre as virtudes e as limitações dos mercados, tem prestado menos atenção para outras combinações institucionais. A investigação de ElinorOstrom e de Oliver Williamson demonstrou que a análise económica que a análise económica pode lançar luz sobre a maior parte das formas de organização social.

Elinor Ostrom desafiou a convicção convencional de que a propriedade comum é mal gerida e dever ser regulada pelas autoridades centrais ou privatizada. Baseada em numerosos estudos sobre stocks de peixe, pastagens, florestas, lagos e bacias hidrográficas geridas pelos utilizadores, Ostrom conclui que os resultados são, frequentemente, melhores do que os previstos pelas teorias standard. Ela observa que os utilizadores de recursos desenvolvem, muitas vezes, mecanismos sofisticados para a tomada de decisões e o cumprimento das regras com vista à gestão dos conflitos de interesses, e caracteriza as regras que promovem bons resultados.

Oliver Williamson tem demonstrado que os mercados e as organizações hierarquizadas, como as empresas, representam estruturas de governância alternativas, apresentam cujas abordagens à resolução de conflitos são diferentes.

O inconveniente dos mercados é que eles muitas vezes dão origem ao regateio e ao desacordo. O inconveniente das empresas é que pode verificar-se abuso de autoridade, a qual tende a enfraquecer a contenção. Os mercados competitivos funcionam relativamente bem, dado que quem compra e quem vende pode virar-se para outros parceiros de negócio, em caso de discordância. Mas quando a competição no mercado é limitada, as empresas estão melhor equipadas para resolver os conflitos. Uma previsão essencial da teoria de Williamson, a qual tem sido demonstrada empiricamente, é que a propensão dos agentes económicos para fazerem as suas transacções dentro dos limites de uma empresa aumenta com aspectos específicos de relacionamento apresentados pelos seus activos.

publicado por annualia às 13:42
link do post | comentar
Sábado, 20 de Junho de 2009

Ralf Dahrendorf (1929-2009)

Sociólogo, politólogo e economista alemão (Hamburgo, 1.5.1929 - Colónia, 18.6.2009). Licenciou-se em Filosofia, Filologia Clássica e Sociologia na Universidade de Hamburgo e, em 1952, doutorou-se em Filosofia e Estudos Clássicos na mesma Universidade. Entre 1953 e 1954 realizou uma pós-graduação na London School of Economics. Foi professor de Sociologia nas Universidades de Hamburgo (1957-1960), Tubinga (1960-1964) e Constança (1966-1969). Em 1969, foi eleito deputado ao Parlamento alemão pelo Partido Democrático Livre, una formação política de índole liberal, e fez parte do primeiro governo de Willy Brandt, como secretário de Estado no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Em 1970, foi nomeado Comissário Europeu em Bruxelas. Continuou , apesar disso, a sua carreira académica, ocupando os cargos de director da London School of Economics (1974-1984), sendo decano do St. Anthony´s College, um centro de pós-graduação da Universidade de Oxford orientado para os estudos internacionais. Em 1988 adoptou a nacionalidade britânica e, em 1993, foi feito Lorde pela Rainha Isabel II, com o título de «Barão Dahrendorf of Clare Market in the City of Westminster». Desde então, integrou a Câmara dos Lordes britânica, sem no entanto pertencer a qualquer partido. Desde 2005 foi professor na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Berlim.
Entre os seus estudos destacam-se os seus contributos para as teorias do conflito social, que abordam questões como a necessidade de integração e ordem nas sociedades contemporâneas, defendendo o conceito de conflito como factor de mudança social. Insistiu na necessidade da Europa enfrentar os problemas que se lhe colocam, como os do Estado social, ou do bem-estar, e o desemprego. Ralf Dahrendorf recebeu mais de uma vintena de doutoramentos honoris causa por universidades do Reino Unido, da Irlanda, Bélgica, Itália e EUA, entre outras, e é autor de uma extensa obra escrita, que inclui Class and Class Conflict in an Industrial Society (1959), Conflict after Class (1967), Society and Democracy in Germany (1967), The New Liberty (1975), Life Chances (1979). Foi distinguido com o Prémio Príncipe das Astúrias, em 2007.
publicado por annualia às 11:08
link do post | comentar
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Nova cultura financeira precisa-se!

Depoimento de Isabel Jonet, figura em destaque na Annualia 2008-2009, ao jorna OJE.

«Para a presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares contra a Fome e da ENTRAJUDA, a actual crise financeira terá seguramente impactos a nível económico, com consequências ainda incertas, especialmente para o Terceiro Sector que, "composto por instituições ainda muito dependentes de boas vontades e de donativos, apesar de contribuírem para 4% do PIB, verá a situação agudizada".

Os reflexos da crise antevêem-se igualmente dramáticos face ao acréscimo do desemprego, principal causa de pobreza a par com a velhice e a deficiência, atingindo sobretudo famílias pobres, com baixos níveis de qualificações, alerta: "muitas famílias que assumiram créditos encontram-se sobreendividadas, o que gera muita perturbação e sobretudo grande frustração".

Quanto à ameaça especulativa da crise alimentar, Isabel Jonet acredita que o acréscimo dos preços das matérias-primas registado com especial incidência nos últimos meses será regulado a prazo pelo mercado, tendência que já se verifica. No entanto, existe uma questão que tem sido pouco aflorada e que o rosto do Banco Alimentar julga ser responsável por alguma "desorientação" financeira, sobretudo junto das pessoas mais velhas e com menos cultura financeira: a introdução do euro veio alterar o referencial (1 euro não é igual a 100 escudos, no entanto um café passou de 50 escudos para 0,5 euros). Assim, "muitas pessoas perderam a noção do valor real do dinheiro", o que, "aliado ao aumento de preços, a salários insuficientes, a pensões de reforma muito baixas, à necessidade de medicamentos indispensáveis, a prestações de créditos assumidos graça ao facilitismo na sua concessão e ao fascínio por bens de consumo ‘oferecidos de bandeja’, gera situações dificílimas". Há que prestar cultura financeira e voltar a incutir valores, invertendo, sobretudo, o espírito consumista e imediatista que impera nas sociedades actuais, de forma transversal, sem medir consequências nem efeitos a nível individual ou colectivo, defende.» 

 

Pode aceder ao texto integral aqui

 

publicado por annualia às 12:26
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio Nobel da Economia ...

Ralf Dahrendorf (1929-200...

Nova cultura financeira p...

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO