Sexta-feira, 11 de Setembro de 2009

Manhattan 1609 <> 2009

O fundador da colónia de Nova Amesterdão, o explorador inglês Henry Hudson, chegou à costa de Mannahatta no dia 11 de Setembro de 1609, a bordo do navio Halve Maen (Meia Lua), quando procurava uma passagem a norte para as Índias Orientais, financiado pela poderosa Companhia Holandesa das Índias. Naquele mesmo local (hoje Manhattan) haveria de crescer o centro de uma das cidades mais dinâmicas e surpreendentes do mundo: Nova Iorque.

A cidade comemorará a efeméride como se poderá ver aqui.  

Ver sobre o projecto Mannahatta aqui.

 

publicado por annualia às 01:11
link do post | comentar
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Hoje


 

publicado por annualia às 10:33
link do post | comentar
Terça-feira, 20 de Maio de 2008

20 de Maio de 1498: chegada de Vasco da Gama a Calecute, Índia

Já a manhã clara dava nos outeiros
Por onde o Ganges murmurando soa,
Quando da celsa gávea os marinheiros
Enxergaram terra alta pela proa.
Já fora de tormenta, e dos primeiros
Mares, o temor vão do peito voa.
Disse alegre o piloto Melindano:
«Terra é de Calecu, se não me engano».

«Esta é por certo a terra que buscais
Da verdadeira Índia, que aparece;
E se do mundo mais não desejais,
Vosso trabalho longo aqui fenece.»
Sofrer aqui não pode o Gama mais,
De ledo em ver que a terra se conhece:
Os geolhos no chão, as mãos ao céu,
A mercê grande a Deus agradeceu.

 

Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto VI

 

publicado por annualia às 11:04
link do post | comentar
Domingo, 27 de Abril de 2008

Datas perdidas: Fernão de Magalhães

Navega­dor português (Porto?, cerca de 1480 - Cebu, Filipinas, 27.4.1521). Combatente em África e na Índia, irritado por D. Manuel I não lhe dar as compensações a que se julgava com direi­to, retirou-se para Castela e ofereceu os seus serviços ao imperador Car­­los V, que os aceitou. Propunha-se descobrir novas terras, chegar, por Ocidente, à região das especiarias e demonstrar que as ilhas Malucas, reclamadas por Espanhóis e Portu­gueses, «caíam na demarcação de Castela«, fixada pelo Tratado de Tordesilhas (1494). Reunidos os navios, deixaram o porto de San Lucar de Barrameda (1519) e partiram para ocidente. Rumaram às Canárias, Cabo Ver­de, Guiné, passaram à costa brasileira, chegaram à baía de Gua­na­bara. Explorada a foz do rio da Prata, desceram a costa meridional da Patagónia, em busca de uma passagem para o Pacífico, e entraram na baía de São Julião. Depois de inú­meras dificuldades, penetrou no estreito (1.2.1520), que se veio a chamar Estreito de Magalhães. Três semanas depois, senhor apenas de três navios, visto um haver naufragado e outro retrocedido para Espanha, começou a sulcar as águas do oceano Pacífico, no meio dos maiores tormentos. Por fim, quando já haviam perdido a esperança de salvamento, aportaram às ilhas Marianas. No mês seguinte chegaram às ilhas depois chamadas Filipinas, onde Magalhães foi morto, numa luta travada com os indígenas da ilha de Mactão (27.4.1521). A tripu­lação continuou a viagem e voltou à Espanha pelo caminho português, sob o comando de Sebastião de Elcano. Dos cinco navios que formavam a esquadra, só um regressou com a glória de haver dado a primeira volta ao Mundo.
publicado por annualia às 10:32
link do post | comentar
Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Tratado de Saragoça

«Se olharmos para o planisfério português anónimo de 1502 (dito Cantino), tomando como escala da medida de um grau equatorial a distância entre os trópicos e o equador, veremos que, mesmo com as dificuldades referidas, está praticamente certa a largura do continente africano e a distância à Índia. Imaginando que as viagens sequentes, até Malaca, Banda e Molucas, deram uma noção (mesmo que vaga) do espaço percorrido, é impossível não pensar que os próprios portugueses foram tomando consciência do problema diplomático que vinha a caminho, quando os espanhóis percebessem até onde estavam a navegar os navios nacionais. Em boa razão, a disputa estava latente desde Tordesilhas, desencadear-se-ia mais dia ou menos dia, e foi nessa base que Magalhães apresentou o seu projecto a Carlos V, que não hesitou em aceitá-lo.

Os dois reinos decidiram, então, reunir uma “junta de especialistas” que debateriam o problema da delimitação oriental das suas zonas de influência, de forma a acordar a quem caberia a posse das longínquas Molucas, cujo comércio se revelava com valor significativo. Essa junta reuniu-se de 11 de Abril a 31 de Maio de 1524, sobre a ponte do rio Caia, entre Elvas e Badajoz, mas os resultados concretos foram absolutamente nulos, como seria de esperar.

D. João III sabia que não era possível fazer a delimitação com base em “verdades geográficas” incontestáveis, de forma que deu instruções para que fosse recusada toda a argumentação de cartógrafos e cosmógrafos, afirmando a sua soberania com base numa presença, de facto, desde há mais de uma década. Era um argumento juridicamente importante desde que tivesse força política para o impor, ou, por outras palavras, desde que Carlos V não estivesse disposto a combater pelas Molucas, o que era o caso. Nenhuma das partes queria que a dissidência resultasse em conflito violento, pelo que uma solução política era possível. Provisoriamente, ficou aceite que os direitos de comércio nas Molucas seriam portugueses, mediante o pagamento de 40 000 ducados anuais, que (ainda por cima) ficavam por conta do dote de D. Catarina, ainda em dívida a Portugal. E este foi o acordo imediato que se seguiu à “conversa de surdos” que foi a Junta de Badajoz-Elvas. Em 1529, com o tratado de Saragoça*, foi concedida a posse definitiva do comércio das Molucas a Portugal, pela quantia de 350 000 ducados.

Não é certo que Portugal tenha pago esta quantia na totalidade e, hoje, pouco importa saber que as Molucas estavam, de facto, no hemisfério português, pela insignificante diferença de cerca de dois graus. O assunto, aliás, viria a perder importância nas últimas décadas do século XVI, fosse pela união das coroas ibéricas, fosse porque o comércio do cravo nunca atingiu a importância que se chegou a pensar.»

Luís Jorge Semedo de Matos, Navegações Portuguesas, Instituto Camões

*O Tratado de Saragoça foi assinado em 22 de Abril de 1529 pelo rei D. João III e o imperador Carlos V.

 

Photobucket - Video and Image Hosting

 

 

publicado por annualia às 07:43
link do post | comentar

Datas perdidas

«Na terça-feira, 21, segundo o testemunho do célebre escrivão cabralino [Pêro Vaz de Caminha], os membros da tripulação encontraram alguns sinais de terra: "muita quantidade d'ervas compridas a que os mareantes chamam botelho e assim outras, a que também chamam rabo d'asno"26. Apesar de, nessa latitude (cerca de 17º S), dispor de vento favorável - que sopra francamente de leste - para atingir mais rapidamente o seu objectivo prioritário que era o de alcançar a monção do Índico, o capitão-mor alterou deliberadamente o rumo para oeste em busca de terra.

A 22 de Abril toparam, pela manhã, "com aves, a que chamam fura-buchos... e, a horas de véspera [entre as 15 horas e o sol-posto]," tiveram "vista de terra, isto é, primeiramente d'um grande monte, mui alto e redondo, e d'outras serras mais baixas a sul dele e de terra chã com grandes arvoredos, ao qual monte alto o capitão pôs nome o Monte Pascoal e à terra a Terra de Vera Cruz"27.

Após este achamento, a armada fundeou a cerca de 6 léguas (19 milhas) da costa. No dia imediato (quinta-feira, 23 de Abril), os navios mais ligeiros (caravelas), seguidos pelos de maior tonelagem (naus), procedendo cautelosamente a operações de sondagem, ancoraram a cerca de meia légua (milha e meia) da foz do posteriormente denominado rio do Frade. Foi, então, decidido enviar um batel a terra, comandado por Nicolau Coelho, para estabelecer relações com os indígenas que se encontravam na praia.»

Jorge Couto, «O Achamento da Terra de Vera Cruz», Revista Camões, Número 8, Janeiro-Março 2000

publicado por annualia às 07:28
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Manhattan 1609 <> 2009

Hoje

20 de Maio de 1498: chega...

Datas perdidas: Fernão de...

Tratado de Saragoça

Datas perdidas

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO