Domingo, 13 de Julho de 2008

Datas perdidas

Em 13 de Julho de 1793, o revolucionário francês Jean-Paul Marat foi assassinado pela jovem partidária dos Girondinos, Charlotte Corday, vítima dos ódios que provocou. Formado em Medi­cina na Universidade de St. Andrews, de Edimburgo, Marat foi o fundador do jornal L’Ami du Peuple (1789) onde publicou artigos inflamados incitando à violência, que o levaram à prisão. Continuou depois os seus ataques contra a monarquia, incitando a populaça a arruaças e crimes. Deputado por Paris à Convenção, perseguiu o grupo dos Girondinos, oposto aos Jacobinos e então considerado contra-revolucionário, cujos membros principais conseguiu proscrever ou fazer guilhotinar.  

 

The Death of Marat

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

A morte de Marat, de Jacques-Louis David (Museu de Versalhes)

Apunhalando Marat de Paul-Jacques-Aimé Baudry (Museu de Belas-Artes de Nantes)

 

Assassínio de Marat, de Antoine Weerts

Assassínio de Marat, de Edvard Munch

 

 

publicado por annualia às 02:16
link do post | comentar
Domingo, 29 de Junho de 2008

Datas perdidas

No dia 29 de Junho de 1613, durante a representação de uma peça de Shakespeare, o disparo de um canhão provocou um incêndio na palha do telhado do Globe Theatre, em Londres, que o destruiu por completo.

O Globe Theatre foi reconstruído recentemente segundo a traça original:

 

 

publicado por annualia às 02:33
link do post | comentar
Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

Datas perdidas

A conquista de Constantinopla pelos Turcos Otomanos chefiados por Maomé II, a 29 de Maio de 1453, representou o fim do Império Romano do Oriente e, para muitos, assinala o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna.

A antiga Bizâncio, tomou o nome de Constantinopla, «cidade de Constantino», quando este imperador resolveu transformá-la numa nova Roma (323-330), para a qual transferiu a sede do Império e onde passou a residir. Tornou-se, mais tarde (395), a capital do Império Romano do Oriente ou Império Bizantino.

Constantinopla gozou de um estatuto especial desde o tempo de Constantino, que confiara a sua administração a um «arconte», ao qual dera, posteriormente, o título de «procônsul». O imperador Constâncio transferiu as suas funções para um «prefeito da cidade», que se manteve durante todo o Império, membro do Senado, dispunha de jurisdição civil e criminal sobre a cidade e arredores.

Em 29.5.1453, Constantinopla caiu em poder dos Turcos com todo o Império. A autoridade soberana, política e religiosamente, passou a ser o «sultão», Senhor absoluto, dotado de poderes ilimitados, governando através dos «quatro pilares do Estado», os seus ministros, o primeiro dos quais é o «grão vizir», seu lugar-tenente e chefe supremo de todos os serviços administrativos.

Com a conquista, os turcos bloquearam as milenares rotas de comércio entre a Europa e o Oriente.

 

 

publicado por annualia às 08:34
link do post | comentar
Terça-feira, 20 de Maio de 2008

20 de Maio de 1498: chegada de Vasco da Gama a Calecute, Índia

Já a manhã clara dava nos outeiros
Por onde o Ganges murmurando soa,
Quando da celsa gávea os marinheiros
Enxergaram terra alta pela proa.
Já fora de tormenta, e dos primeiros
Mares, o temor vão do peito voa.
Disse alegre o piloto Melindano:
«Terra é de Calecu, se não me engano».

«Esta é por certo a terra que buscais
Da verdadeira Índia, que aparece;
E se do mundo mais não desejais,
Vosso trabalho longo aqui fenece.»
Sofrer aqui não pode o Gama mais,
De ledo em ver que a terra se conhece:
Os geolhos no chão, as mãos ao céu,
A mercê grande a Deus agradeceu.

 

Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto VI

 

publicado por annualia às 11:04
link do post | comentar
Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Tratado de Saragoça

«Se olharmos para o planisfério português anónimo de 1502 (dito Cantino), tomando como escala da medida de um grau equatorial a distância entre os trópicos e o equador, veremos que, mesmo com as dificuldades referidas, está praticamente certa a largura do continente africano e a distância à Índia. Imaginando que as viagens sequentes, até Malaca, Banda e Molucas, deram uma noção (mesmo que vaga) do espaço percorrido, é impossível não pensar que os próprios portugueses foram tomando consciência do problema diplomático que vinha a caminho, quando os espanhóis percebessem até onde estavam a navegar os navios nacionais. Em boa razão, a disputa estava latente desde Tordesilhas, desencadear-se-ia mais dia ou menos dia, e foi nessa base que Magalhães apresentou o seu projecto a Carlos V, que não hesitou em aceitá-lo.

Os dois reinos decidiram, então, reunir uma “junta de especialistas” que debateriam o problema da delimitação oriental das suas zonas de influência, de forma a acordar a quem caberia a posse das longínquas Molucas, cujo comércio se revelava com valor significativo. Essa junta reuniu-se de 11 de Abril a 31 de Maio de 1524, sobre a ponte do rio Caia, entre Elvas e Badajoz, mas os resultados concretos foram absolutamente nulos, como seria de esperar.

D. João III sabia que não era possível fazer a delimitação com base em “verdades geográficas” incontestáveis, de forma que deu instruções para que fosse recusada toda a argumentação de cartógrafos e cosmógrafos, afirmando a sua soberania com base numa presença, de facto, desde há mais de uma década. Era um argumento juridicamente importante desde que tivesse força política para o impor, ou, por outras palavras, desde que Carlos V não estivesse disposto a combater pelas Molucas, o que era o caso. Nenhuma das partes queria que a dissidência resultasse em conflito violento, pelo que uma solução política era possível. Provisoriamente, ficou aceite que os direitos de comércio nas Molucas seriam portugueses, mediante o pagamento de 40 000 ducados anuais, que (ainda por cima) ficavam por conta do dote de D. Catarina, ainda em dívida a Portugal. E este foi o acordo imediato que se seguiu à “conversa de surdos” que foi a Junta de Badajoz-Elvas. Em 1529, com o tratado de Saragoça*, foi concedida a posse definitiva do comércio das Molucas a Portugal, pela quantia de 350 000 ducados.

Não é certo que Portugal tenha pago esta quantia na totalidade e, hoje, pouco importa saber que as Molucas estavam, de facto, no hemisfério português, pela insignificante diferença de cerca de dois graus. O assunto, aliás, viria a perder importância nas últimas décadas do século XVI, fosse pela união das coroas ibéricas, fosse porque o comércio do cravo nunca atingiu a importância que se chegou a pensar.»

Luís Jorge Semedo de Matos, Navegações Portuguesas, Instituto Camões

*O Tratado de Saragoça foi assinado em 22 de Abril de 1529 pelo rei D. João III e o imperador Carlos V.

 

Photobucket - Video and Image Hosting

 

 

publicado por annualia às 07:43
link do post | comentar

Datas perdidas

«Na terça-feira, 21, segundo o testemunho do célebre escrivão cabralino [Pêro Vaz de Caminha], os membros da tripulação encontraram alguns sinais de terra: "muita quantidade d'ervas compridas a que os mareantes chamam botelho e assim outras, a que também chamam rabo d'asno"26. Apesar de, nessa latitude (cerca de 17º S), dispor de vento favorável - que sopra francamente de leste - para atingir mais rapidamente o seu objectivo prioritário que era o de alcançar a monção do Índico, o capitão-mor alterou deliberadamente o rumo para oeste em busca de terra.

A 22 de Abril toparam, pela manhã, "com aves, a que chamam fura-buchos... e, a horas de véspera [entre as 15 horas e o sol-posto]," tiveram "vista de terra, isto é, primeiramente d'um grande monte, mui alto e redondo, e d'outras serras mais baixas a sul dele e de terra chã com grandes arvoredos, ao qual monte alto o capitão pôs nome o Monte Pascoal e à terra a Terra de Vera Cruz"27.

Após este achamento, a armada fundeou a cerca de 6 léguas (19 milhas) da costa. No dia imediato (quinta-feira, 23 de Abril), os navios mais ligeiros (caravelas), seguidos pelos de maior tonelagem (naus), procedendo cautelosamente a operações de sondagem, ancoraram a cerca de meia légua (milha e meia) da foz do posteriormente denominado rio do Frade. Foi, então, decidido enviar um batel a terra, comandado por Nicolau Coelho, para estabelecer relações com os indígenas que se encontravam na praia.»

Jorge Couto, «O Achamento da Terra de Vera Cruz», Revista Camões, Número 8, Janeiro-Março 2000

publicado por annualia às 07:28
link do post | comentar
Segunda-feira, 31 de Março de 2008

Joseph Haydn

31 de Março de 1732 - 31 de Maio de 1809

 

 

 

publicado por annualia às 11:00
link do post | comentar
Segunda-feira, 24 de Março de 2008

Datas perdidas

Harry Houdini, de seu verdadeiro nome Ehrich Weiss, nasceu em Budapeste, em 24.3.1874, e poucos dias depois de ter nascido foi levado pela família para os Estados Unidos (m. Detroit, 31.10.1926). Filho de emigrantes, s duras condições de vida obrigaram-no a ter várias sucessivas profissões, muitas delas no circo. Essa experiência despertou-o para as capacidades que o tornaram um dos maiores mágicos de todos os tempos. Os seus feitos incluíam a capacidade de se libertar de cordas, correntes e cadeados, mesmo debaixo de água, onde conseguia permanecer durante largos minutos. Houdini descreveu os seus truques com relativo pormenor, mas as suas capacidades ultrapassaram em muito o nível comum.

*

*

*

Harry Houdini by Harry Houdini

 

My birth occurred April 6th, 1874, in the small town of Appleton, in the State of Wisconsin, U.S.A. My father, the Rev. Dr. Mayer Samuel Weiss, at that time received an annual salary of $750 (£150). Some of the leading actors in the congregation, thinking he had grown too old to hold his position, supplanted him for a younger man, and one morning my father awoke to find himself thrown upon the world, his long locks of hair having silvered in service, with seven children to feed, without a position, and without any visible means of support.
We thereon moved to Milwaukee, Wis., where such hardships and hunger became our lot that the less said on the subject the better.

October 28, 1883, was the date of my first appearance before an audience. I appeared as a contortionist and trapeze performer, being advertised by the manager, Jack Hoeffler (now proprietor and manager of a circuit of theatres in the Middle West of the United States), as "Ehrich, The Prince of the Air."

Later in life I worked at a number of trades, such as locksmith, electrical driller, photographer, cutter, etc., etc.: but I prefer to pass rapidly by those hard and cruel years when I rarely had the bare necessities of life and speak of the time when I first started to do handcuff tricks -- the tricks which eventually brought me to the notice of the world.

One day whilst working as an apprentice in a locksmith's close by the police station, one of the young bloods of the town was arrested for some trivial offense. He tried to open his handcuffs with some keys he had on his person, and in the attempt broke off one of the keys in the lock of the handcuff. He was brought to the shop to have the cuff opened or cut off his wrist, and this incident, trivial as it may seem, in after years changed my entire career.


While the master locksmith was trying to open the handcuff the whistle blew for the dinner hour. Being a loyal union man, and incidentally, perhaps, having a sharpened appetite, he called me to his side and said, "Harry, get a hack-saw and cut off this handcuff," and then went out with the police officer to dine.

I tried to cut off the cuff, but the steel was too hard, and after breaking half-a-dozen saw-blades, the thought struck me to attempt to pick the lock. I succeeded in doing it, and the very manner in which I then picked the lock of the handcuff contained the basic principle which I employed in opening handcuffs all over the world. Not with a duplicate key, which seems to have been the only way others had of duplicating my performance.

The year 1893 found me as an actor! I played the part of an old man in a play entitled "My Uncle." During rehearsal I seemed unable to remember a single line, in fact would have spoilt the entire rehearsal had I not been allowed to read my part from the script. Notwithstanding this, the show opened up in a small town near St. Louis, Mo., and strange to relate, I was the only one who knew his part perfectly! The show as such a success that the only way possible for me to get back to St. Louis was to deposit my trick trunk as security for railroad fares.

It was while in St. Louis that I formulated the basis of the method for performing my packing-case escape, and it happened in this wise: The winter was a bitterly cold one, and I had no money with which to purchase wood to start a fire to warm my room. So seeing a discarded packing-case in front of one of the large drygoods' shops, I thought I would take it home for firewood. I knew I would make myself too conspicuous by carrying so large a case through the streets, and further knew that no police officer would permit me to break it apart in so crowded a thoroughfare, so I conceived a method of taking it noiselessly apart, and used this same method when I presented the packing-case mystery for the first time in Essen Rhur, Germany.

The presentation of this mystery resulted from a challenge issue to me, more in jest than earnest, by one of the employees of a large linen factory which I visited while in that city. It happened that during my visit, one of the men, engaged in packing a case of linens to send to America, recognized me, and knowing I had just escaped from the local jail, laughingly said, "If we nail you in this packing case like we do linens you never would be able to get out." Jokingly I replied, "Oh! that would be easy," and proceeded on my way, thinking the incident was closed.

Next day, on reading the morning newspaper, to my astonishment I found that the packers had publicly challenged me to escape from one of their packing cases, into which they purposed to nail and rope me. My thoughts flew back to the year long gone by when I secured firewood to heat my room, and I determined to accept their challenge, meaning to escape by using as a basis the method I had employed in securing my firewood years ago.

It was a sensation, and has been the means of putting a few solid stones in the foundation of my reputation.

In 1895 I was engaged by the Welsh Brothers' Circus, a circus which traveled almost exclusively through the State of Pennsylvania, and for the services of Mrs. Houdini and myself I received the sum of £4 weekly, railroad fares and board.

The amount was small, but I still look back with pleasure upon that season's work as being one in which we had an abundance of clothes to wear and good food to eat, for the Welsh Brothers certainly fed their artists extra well.

For this £4 weekly Mrs. Houdini and myself first of all had to give a free performance in front of the side show to attract the crowds. Inside, I then lectured upon the curiosities, gave a magic show, worked the Punch and Judy show, and with the assistance of Mrs. Houdini finally presented a second sight act. In the main concert Mrs. Houdini acted as a singing clown, while later on we presented our specialty, which consisted of the trunk trick in connection with the braid trick. With this same performance we created a big sensation at the Alhambra Music Hall in London in July, 1900, as many of the readers will undoubtedly recall.

I offered my handcuff act to the Welsh Brothers for L1 extra per week, and it was rejected. Eventually I offered to clown the bars, collect lithographs, and do my handcuff show for 12s. extra per week, and it was also refused. In fact, several managers later on refused to allow me to do handcuffs, and it was only after persistently presenting it every once in a while like a trick in several museums that I eventually was allowed to do the act steadily, and only after I had become known to the managers.

In 1897 I appeared with a medicine show in the Indian Territory with Drs. Hill and Pratt, the former from San Francisco, and the latter from Denver, Colorado.

I had to sell medicine on the streets from the carriage, and exhibited my prowess to the gaping public, free of charge. We received as salary £5 weekly, board and traveling expenses, and from this engagement we managed to save our first $100 (£20). As I dwell on thoughts of the past I can realise how important an item the board must have been, as I always was blessed with a good appetite. In fact, it is now no longer a puzzle to me why my parents remained in adverse circumstances, feeding a family of six boys and one girl, who ate as much as a small army. The only wonder still is how did we grow up at all?

In 1898 things became so bad that I contemplated quitting the show business, and retired to private life, meaning to work by day at one of my trades (being really proficient in several) and open a school of magic, which with entertainments would occupy my evenings. I therefore started to play one more tour of the Dime Museums to fulfill my expiring contracts, and it was this trip which made Houdini, The Handcuff King, famous.

When working at a small hall in St. Paul, a party of managers, while sight-seeing, happened to come in. They saw my performance, became impressed with the manner in which I presented it, and one of them, Mr. Martin Beck, perhaps more in a joke than sincerity, challenged me to escape from one of his handcuffs. He had none with him, but next day purchased a few pairs and sent them on the stage. I escaped! He then booked me for one week, and it was the first chance I ever had had, and my act in a first-class theatre created a sensation. My salary for this week's engagement was $60 (£12). In those days I opened my performance with fifteen minutes of magic, but gradually dropped it out until handcuffs were exclusively presented in connection with the trunk trick. We have never looked back since, but have kept on going forward, hoping in a few years to retire to private life and enjoy the harvests of my successes.

My largest income derived from a season's work was from the summer season in Russia in 1903. America ranks second as the payer of salaries, and, although strange as it may seem to the readers, in Great Britain I receive my smallest salaries. However, having made so many friends in this country I like to be among them. Of course, I also must have made a few enemies, but that is part of life.

After working contracts which I have signed for Great Britain I expect to accept no more, as two performances a night of the work I do is too trying for my physique.

When I retire, perhaps I shall reside half the year in Great Britain and the other half of the year in America.

Writing my latest book, "The Unmasking of Robert-Houdin," I consider my greatest and most gratifying achievement. This is the only book in the annals of magic which contains original research and material.

"Robert-Houdin Unmasked" is a book that will live long after we are all dead, will stand as a monument of years of diligent research and endeavor, and will bring me back to the minds of the public when I am long forgotten as a public performer.

Harry Houdini By Harry Houdini apareceu em The Magician Annual, 1909-1910, publicado em Londres. 

Pode encontrar tradução aqui.

publicado por annualia às 00:42
link do post | comentar
Segunda-feira, 17 de Março de 2008

Datas perdidas

O físico Christian Doppler morreu em Veneza a 17 de Março de 1853, há 155 anos. Doppler nasceu em Salzburgo, em 23.11.1803, formou-se no Instituto Politécnico de Viena e desde 1850 foi Professor de Física Experimental e director do Instituto de Física da Universidade de Viena. Foi o primeiro a descrever, em 1842, o efeito do movimento relativo entre a fonte e o detector na frequência de uma onda, o chamado «Efeito de Doppler». 

Este efeito explica a alteração de frequência de uma onda quando existe movimento relativo entre a sua fonte e o observador, de que é exemplo comum as variações de timbre que se ouvem quando um comboio a apitar passa por uma estação: cada vez mais agudo quando se aproxima e cada vez mais grave quando se afasta. A explicação reside no facto de o timbre ser determinado pela frequência que é inversa do comprimento de onda: quando a distância à fonte diminui, o mesmo acontece ao comprimento de onda observado pelo que a frequência observada, e logo o timbre, au­menta, acontecendo o inverso quando a distância à fonte aumenta.

É com base neste efeito que é possível determinar a velocidade de afastamento das galáxias, o deslocamento para o vermelho da luz emitida pelas suas estrelas, e determinar a velocidade dos veículos com os «radares» de polícia.
*
*
Computer Drawing of the doppler effect with the equations which describe the change in frequency.
publicado por annualia às 23:45
link do post | comentar
Quinta-feira, 13 de Março de 2008

Datas perdidas

 

 

A 13 de Março de 1930, o astrónomo Clyde Tombaugh (1906-1997) anunciou a descoberta de Plutão.

No mesmo dia e mês de 1781, William Herschel (1738-1822) descobriu Úrano, durante uma observação de rotina.

Em Agosto de 2006 a União Astronómica Internacional, reunida em Praga, estabeleceu três categorias de objectos celestes segundo as quais Plutão deixará de ser considerado planeta, passando a ser um planeta anão, uma outra categoria de corpos celestes.

Não deixe de ler no volume ANNUALIA 2007-2008 o artigo de Máximo Ferreira com o título «Adeus a Plutão?», no qual este astrónomo aborda este tema, desde o método usado por Tombaugh na descoberta de Plutão até à viagem da New Horizons que nos dará mais a conhecer sobre este planeta anão, explicando as razões e os critérios desta nova classificação, mas salientando que «na verdade, apesar das alterações introduzidas no modo de classificar os planetas e os restantes corpos do sistema solar, Plutão viu em nada diminuída a sua importância e os contributos que dele advieram para a ciência e mesmo para a tecnologia».

 

 

publicado por annualia às 11:45
link do post | comentar
Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008

Cesário Verde nasceu há 153 anos

 

Poeta português formado na estética realista (Lisboa, 25.2.1855 - ibid., 19.7.1886). Concluída a instrução primária, trabalhou com o pai, dono de uma loja de ferragens em Lisboa e de uma granja em Linda-a-Pastora. Frequentou o Curso Superior de Letras de Lisboa e colaborou em diversos periódicos, entre os quais A Folha, fundada por João Penha. Prematuramente vitimado pela tuberculose, a sua obra só foi publicada um ano após a sua morte, por Silva Pinto, com o título de O Livro de Cesário Verde. Embora reflectindo vestígios românticos e prenúncios simbolistas, o corpo essencial da sua poesia filia­se num aristocrático, sereno, distinto, parnasianismo. Serve-se, sobretudo, como tema, ou antes, como estímulo para a divagação poética, da objectividade, da limpidez formal, do descritivo, numa linguagem impressionista, do quotidiano e do banal: as varinas, as vendedeiras de hortaliça, os lojistas enfadados, as elegantes mirando as vitrinas, os transeuntes, os operários, as burguesinhas da cidade; ou, ainda, os mendigos, os aleijados, os pedintes, as criancinhas rotas ou sadias do campo. Relevo especial tem o seu poema «Sentimento de Um Ocidental». Todo um pequeno mundo enche a sua obra, tão curta como significativa, de uma nova perspectiva dentro do real, a que a sua poesia vem dar uma dimensão insólita. É o grande precursor da modernidade na poesia portuguesa.
publicado por annualia às 20:39
link do post | comentar

Datas perdidas

A 25 de Fevereiro de 1964 Cassius Clay vencia, em Miami, o Campeonato do Mundo de Boxe ao derrotar por knock out, após 7 rounds, o campeão em título Sonny Liston.

Eis os rounds finais:
*

publicado por annualia às 20:27
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Datas perdidas

Datas perdidas

Datas perdidas

20 de Maio de 1498: chega...

Tratado de Saragoça

Datas perdidas

Joseph Haydn

Datas perdidas

Datas perdidas

Datas perdidas

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO