Terça-feira, 3 de Novembro de 2009

Claude Lévi-Strauss (1908-2009)

 Antropólogo francês (Bruxelas, 28.11.1908 - Paris, 31.10.2009). «Efectuou os seus estudos superiores em Paris (Sorbonne), onde conclui Filosofia (1931), depois a agregação e, mais tarde, o doutoramento em Letras (1948), com uma tese sobre as estruturas de parentesco. Após dois anos de ensino, participa numa missão cultural francesa no Brasil: aí é professor de Sociologia na Universidade de São Paulo e faz diversas expedições etnográficas entre os índios (Mato Grosso e Amazónia). De regresso a França (1939), parte (1941) para os EUA, convidado pela New School for Social Research de Nova Iorque (1942-1945), conhecendo o célebre linguista R. Jakobson; ensina na École Pratique des Hautes Études (cátedra de Religiões Comparadas), no Collège de France (desde 1959, cátedra de Antropologia Social). Com a publicação das suas obras a Antropologia Estrutural (1958), o Pensamento Selvagem e O Totemismo (1962), o estruturalismo atinge o auge da sua audiência. Eleito, em 1973, para a Academia Francesa.»
Esta a introdução da longa entrada sobre Lévi-Strauss na Enciclopédia Verbo, que o autor, Acílio da Silva Estanqueiro Rocha, conclui deste modo: «Contrapondo, quer ao humanismo clássico (renascentista) que se restringiu à cultura clássica e à área mediterrânica, quer ao humanismo burguês (séculos xviii-xix) ligado aos interesses económicos, Lévi-Strauss propõe um «humanismo etnológico» inspirado nas sociedades que estudou. Então, todas as culturas têm os mesmos direitos (humanismo democrático), com referência essencial à natureza (humanismo generalizado ou ecológico); tal humanismo radica no respeito por qualquer fora de vida e de diversidade cultural. Minimizando o êxito dos progressos proclamado pela civilização ocidental, nomeadamente o da Revolução Industrial — pálida réplica da Revolução Neolítica —, compraz-se em mostrar como os resultados do progresso, usados como instrumento de denominação do homem, são tais que vêm a anular o seu benefício; a «antinomia do progresso» gera «uma verdadeira entropia sociológica [que] impele sempre o sistema no sentido de inércia»; após o entropia anunciada pela física, é Lévi-Srauss quem adverte acerca duma entropia sociológica: «em vez de antropologia, seria necessário escrever ‘entropologia’, o nome de uma disciplina consagrada a estudar as suas manifestações mais elevadas neste processo de desintegração» (provocado pelo progresso). A «mitologia» do progresso, de tipo etnocentrista, deve ser substituída por um outro princípio — o do relativismo cultural —, que assenta no respeito pela polifonia cultural, de índole rousseauniana, num esforço incessante que evite reduzir o outro às dimensões do mesmo. Uma nova ética é proposta, de fundo humanista: «um humanismo bem ordenado não começa por si mesmo, mas põe o mundo antes da vida, a vida antes do homem, o respeito pelos outros antes do amor próprio». Por outro lado, se é contestada, na linha do cogito, uma certa imagem da «natureza humana», é porque ela é agora compreendida segundo uma matriz de combinatória universal, de índole leibniziana, em que as culturas particulares seriam as produções de superfície adentro de um processo universal, o que torna ainda possível discernir acerca do que de originário ou de artificial há na actual concepção da natureza humana. »

Algumas obras de Claude Lévi-Strauss: La vie familiale et sociale des Indiens Nambikwara (1948), Les structures élémentaires de la parenté (1949, ed. rev. e corrigida, 1967), Race et histoire (1952), Tristes tropiques (1955), Anthropologie structurale (1958), Le totémisme aujourd’hui (1962), La pensée sauvage (1962); Mythologiques compreende 4 tt.: t. i, Le cru et le cuit (1964), t. ii, Du miel aux cendres (1966), t. iii, L’origine des manières de table (1968), t. iv, L’homme nu (1971), Anthropologie structurale deux (1973), La voie des masques (1975, ed. rev. e aumentada, 1979); Myth and meaning (1978), Le regard éloigné (1983), Paroles données (1984), La potière jalouse (1985), De près et de loin (1988), Des symboles et leurs doubles (1989).

Claude Lévi-Strauss por Júlio Pomar

 

 

 

publicado por annualia às 20:44
link do post | comentar
Sexta-feira, 6 de Março de 2009

Lombroso a cem anos de distância

 
Cesare Lombroso foi um criminologista italiano (Verona, 6.11.1835 - Turim, 18.10.1909) , cuja obra principal, O Homem Criminoso, publicada em 1875, estudava pela primeira vez as relações entre o homem e o crime. Lombroso entendia que o criminoso nato é um doente, que se poderia distinguir por alguns sinais de degenerescência, tais como maxilar inferior largo, fronte baixa e inclinada para trás, implantação baixa dos cabelos. Tentou provar a interligação entre a genialidade, a loucura e a epilepsia. Ao impor à justiça a obrigação de conhecer o homem delinquente, lançou as bases da antropologia criminal. Apesar de não científicas. as suas teorias tiveram grande voga e foram influentes no seu tempo.



Esboços de crânios de criminosos feitos por um director de prisão em 1895

publicado por annualia às 15:30
link do post | comentar
Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Prémio Margaret Mead 2007

O antropólogo brasileiro João Biehl, professor associado da Universidade de Princeton, ganhou o Prémio Margaret Mead 2007, uma das mais prestigiosas distinções atribuídas a livros de antropologia, resultante da colaboração entre a  American Anthropological Association e a Society for Applied Anthropology. O livro de João Biehl, já anteriormente premiado, tem como título Vita: Life in a Zone of Social Abandonment e foi publicado em 2005 pela University of California Press.
O livro de Biehl conta a história de Catarina, uma jovem brasileira internada em Vita, uma asilo para doentes mentais e pobres. Devido a uma doença neurodegenerativa mal diagnosticada, Catarina fica paralisada, é considerada louca e abandonada pela família. Biehl estuda as circunstâncias da doença de Catarina para expor à luz do dia as forças económicas, médicas, políticas e familiares pelas quais Vita e outras instituições de último recurso, pobres e desgovernadas, proliferaram no Brasil. Biehl é também autor de Will to Live: AIDS Therapies and the Politics of Survival. (Fonte: News@Princeton).
A área primordial de interesse da investigação de João Biehl é a da antropologia médica, dos estudos sociais de ciência e tecnologia e das sociedades latino-americanas. A sua pesquisa actual examina o uso generalizado de medicamentos de efeitos psíquicos nos bairros pobres do Brasil, a distribuição e adesão a tratamentos anti-retrovirais em contextos de ausência de recursos e de como o meio e a história de vida influenciam a expressão patogénica de genes.
Biehl é doutorado em Antropologia pela Universidade da Califórnia, em Berkeley, e doutorado em religião pela Graduate Theological Union. Foi National Institute of Mental Health Postdoctoral Fellow na Universidade de Harvard (1998-2000); membro da School of Social Science do Institute for Advanced Study, Princeton (2002-2003); e professor visitante na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris (2004).
publicado por annualia às 23:06
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Claude Lévi-Strauss (1908...

Lombroso a cem anos de di...

Prémio Margaret Mead 2007

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO