Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008

OPINIÃO: ensino

 

 

 

 

Com a devida vénia ao jornal Público, reproduzimos uma crónica aí publicada no passado dia 9 de Dezembro.

Três problemas no ensino
 
Desidério Murcho
 
A situação de conflito absurda a que se chegou no ensino parece resultar de três factores - outros terão o seu papel causal, mas estes parecem importantes.
O primeiro factor é a falta de profissionalismo de alguns professores. Saindo das universidades mal formados, alguns professores parecem não querer assumir as suas deficiências e ainda menos estudar para poderem desempenhar com profissionalismo a sua tarefa. Comprar livros, ler, discutir ideias, estudar - estas não parecem actividades populares entre os professores. Durante décadas, alguns professores dedicaram-se exclusivamente a dar aulas pelo manual escolar, redigido por vezes por professores com iguais deficiências formativas.
Quando foi criada a melhor iniciativa das últimas décadas no que respeita à educação - a formação de professores, contínua e obrigatória - os professores colaboraram na fraude: formações de fantasia em que toda a gente era aprovada, sobre matérias sem qualquer relevância para a qualidade do ensino. Professores com graves carências em física ou matemática faziam formações de teatro ou de Internet ou de jogo do pau, nas quais nada realmente aprendiam - e mesmo que aprendessem não seria relevante para a excelência do ensino. Bastaria que os professores tivessem exigido formação de qualidade e rigorosa, e um factor central da avaliação de professores estaria resolvido, pois se a formação fosse de qualidade muitos professores não teriam aproveitamento.
O segundo factor é a mentira política. Não é pura e simplesmente verdade que os actuais dirigentes educativos estejam genuinamente interessados na excelência educativa. Só duas coisas os preocupam: mostrar aos organismos internacionais números felizes de sucesso escolar inventado e poupar dinheiro. Tudo o que fazem é com estes dois axiomas em mente. O objectivo dos exames de fantasia e das outras medidas educativas é impedir a reprovação por via administrativa, sem que isso resulte de melhores aprendizagens. O objectivo da avaliação dos professores é apenas poupar dinheiro.
O terceiro factor é talvez o mais perverso. Porque nunca antes os dirigentes educativos mostraram tanto desinteresse pelas questões educativas, são os técnicos do Ministério da Educação que realmente governam actualmente. E fazem-no como sabem: com regras, legislações, formulários, normas, circulares. A consequência disto é a neutralização dos professores mais competentes, que agora não têm tempo para estudar nem preparar aulas; são estes professores que estão a pedir reforma antecipada pois, por profissionalismo e amor ao ensino, suportam programas idiotas, manuais tolos, colegas sem vida intelectual e estudantes mal-educados - mas não têm realmente paciência para passar a vida em reuniões e a ler legalês mentecapto.
Entretanto, nada se faz de relevante para melhorar a qualidade do ensino: nem por parte dos professores, nem do Ministério, nem dos legisladores. É como haver falta de água e andarmos a discutir a cor do Rio Douro.
publicado por annualia às 11:58
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO