Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

Prémio Teixeira de Pascoaes/ João Rui de Sousa


O livro Quarteto Para as Próximas Chuvas
(2008), de João Rui de Sousa, editado pela Dom Quixote, foi escolhido por um júri constituído por Fernando Pinto do Amaral, António Cândido Franco, Luís Adriano Carlos, Isabel Morujão e António José Queiroz, como vencedor da 6ª edição do Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes, atribuído pela Câmara Municipal de Amarante.

Poeta e ensaísta português (n. Lisboa, 1928). Fundou a revista Cassiopeia (1955), com António Ramos Rosa, José Bento e outros. Publicou Circulação (1960), A Hipérbole na Cidade (1960), A Habitação dos Dias (1962), Meditação em Samos (1970), Corpo Terrestre (1972), O Fogo Repartido (reunião dos livros anteriores, com iné­ditos, 1973), Palavra Azul e Quando (1991), Enquanto a Noite, a Folhagem (1991), Sonetos de Cogitação e Êxtase (1994), Destinação do Corpo (1996), Respirar pela Água (1998), Concisa Instrução aos Nautas (1999), Os Percursos, as Estações (2000). Em 2002 surgiu a Obra Poética 1960­-2000. Posteriormente (2005) publicou Lavra e Pousio.
 
Sobre João Rui de Sousa escreveu Fernando J. B. Martinho em Biblos-Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa (vol. 5, Lx., 2005, cols. 214-217): «A sua poesia, no essencial, permaneceu fiel às duas linhas que podiam perceber-se num ensaio que publicou no número único dessa revista [Cassiopeia] sob o título «A angústia e o nosso tempo», muito em sintonia com o espírito das filosofias da existência, então com grande aceitação junto da nova geração literária: por um lado, uma defesa da "fraternidade", já vincada pelo realismo social; por outro, o não abdicar da singularidade, num tempo em que as esperanças utópicas se mostravam já em franca regressão. O "homem total" que aí se defende corresponde a um homem não mutilado, quer da sua ligação à polis, quer das exigências inalienáveis da sua individualidade. No plano poético, tal implicará a conjugação de dois vectores, o ético e o estético, e a abertura a uma reflexão que problematiza o estar no mundo. O gosto pela reflexão manifesta-se não apenas na prática poética de João Rui de Sousa, mas também no exercício de uma persistente e importante actividade crítica e ensaística que vem até aos nossos dias (...)».
 

  

publicado por annualia às 16:45
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO