Terça-feira, 29 de Janeiro de 2008

Vida de Machado de Assis - II

por Josué Montello*
*
*
Em 1854, casa-se pela segunda vez o pai de Machado de Assis. Já este andava pelos 15 anos: era tempo de o pássaro franzino ir tratando de emplumar seu voo. A madrasta, Maria Inês da Silva, chegava naturalmente tarde para impor-se ao enteado. Daí, com certeza, não se terem entendido.
Há-de ter sido por esse tempo que Joaquim Maria fez a sua experiência no comércio, como caixeiro de uma loja de papel, e ali só permaneceu três dias. Sinal de que, no adolescente, já a natureza afirmativa do homem vinham dando de si. Outros eram os seus pendores; para horizontes mais amplos já ele então se voltava, com essa força teimosa que traz em si a vocação verdadeira. E não tardaria a encontrar, andando o tempo, seu ambiente adequado, na loja de Francisco de Paula Brito, impressor da Casa Imperial, editor de um jornal de modas e variedades, a quem se ligaria por vários laços de afinidade: de cor, de humildade, de espírito associativo, de vocação literária.
Paula Brito, poeta, livreiro e editor, soubera fazer de sua loja do Largo do Rocio ponto de encontro de figuras ilustres, umas ainda moças, outras já consagradas, entre políticos, jornalistas e escritores de nomeada. Em 1849, começara a publicar a «Marmota na Corte», que em Maio de 1852 mudaria de nome, passando a chamar-se «Marmota Fluminense», a qual, por sua vez, se denominaria apenas «A Marmota», a partir de 1857.
Na «Marmota Fluminense», a que foi admitido como revisor, Machado de Assis se elevaria a colaborador, e aí estrearia como poeta, a 12 de Janeiro de 11855. Também como editor, publicaria Paula Brito dois trabalhos de Machado de Assis: uma fantasia dramática, «Desencantos», vinda a lume em 1861, e uma tradução, «Queda que as Mulheres têm para os Tolos», do mesmo ano.
Menino e moço, iniciou-se Machado de Assis como tipógrafo na Imprensa Nacional. E foi ali, precisamente por ser mau operário, mais interessado nas suas leituras que na composição dos textos alheios, que fez amizade com o director da repartição, o romancista Manuel António de Almeida.
Machado de Assis ia assim, aos poucos, com o seu talento e a sua finura de maneiras, alargando círculo de bons amigos que lhe permitiriam gradativamente a ascensão social a que tinha direito. Em breve, o aprendiz de tipógrafo se viu transformado em revisor de provas do «Correio Mercantil», então dirigido por Francisco Otaviano e Pedro Luís.
Outra roda de amigos integrou também Machado de Assis por esse tempo: a que se reunia no escritório do Dr. Caetano Filgueiras, e o qual faziam parte, além do dono da casa e do futuro autor das «Crisálidas», os poetas Casimiro de Abreu, Macedo Júnior e Gonçalves Braga. (continua)
*
* Publicado em Gigantes da Literatura Universal, vol. 26, Verbo, Lisboa/São Paulo, 1972.
publicado por annualia às 00:24
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO