Terça-feira, 22 de Janeiro de 2008

Datas perdidas

Em 22 de Janeiro de 1901 morria a Rainha Vitória de Inglaterra.
«Neta de Jorge III e filha de Eduardo, duque de Kent, e de Maria Luísa Vitória de Saxe-Coburgo Gotha, Alexandrina Vitória (n. 1819) ascendeu ao trono em 1837, na sequência de seus tios Jorge IV e Guilherme IV. Órfã de pai aos oito meses, foi educada pela mãe longe da corte, com alguma austeridade, que terá contribuído para certo puritanismo de atitude de que foi representante e inspiradora simultaneamente. Coroada em 1838, veio a casar, em 1840, com seu primo, Alberto de Saxe-Coburgo Gotha, dando início a um período de vida familiar feliz, com numerosa descendência, e a uma fase de aprendizagem política como rainha, que se prolongou até à morte do príncipe consorte, em 1861. Queen VictoriaRecusando uma função meramente passiva, Vitória insistiu em fazer-se ouvir, sobretudo na política externa, influindo em decisões fundamentais e conseguindo fazer aceitar a sua intervenção para além dos limites estritamente constitucionais, graças à sua persistência e gradual prestígio.
(…)
No decurso do mais longo reinado que o Reino Unido conheceu, Vitória alterou de modo profundo a imagem da realeza, facto tanto mais notável tendo em consideração a pouca popularidade de que inicialmente desfrutava e o período de quase reclusão nos primeiros tempos de viuvez. Biógrafos e historiadores de diversas tendências sublinham a sua intuição e identificação espontânea com o pensar e sentir da camada dominante da sociedade do seu tempo. A época a que deu o nome foi assinalada por grandes transformações e contradições, nomeadamente pelos efeitos da revolução industrial, desenvolvimento do capitalismo e imperialismo, ascensão do proletariado, reformas sociais e educativas, movimentos ideológicos, revestindo-se de brilho e importância — até na literatura —, que os próprios críticos não deixam de reconhecer. Os jubileus de 1887 e 1897 deram lugar a expressões triunfais do apogeu do vitorianismo, mas a morte da soberana, no início do novo século, foi claramente sentida como marcando a passagem de uma era».
*
Excertos do texto de Fernando de Mello Moser em Enciclopédia Verbo-Edição Século XXI, vol. 29.
*
publicado por annualia às 18:13
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO