Sábado, 5 de Janeiro de 2008

Luiz Pacheco (1925-2008)

Escritor, crítico e editor português (Lisboa, 7.5.1925 - Montijo, 5.1.2008). A sua diversa actividade enreda-se nas atribulações de uma vida marcada pela irregularidade dos amores, pelo escândalo das relações, os processos judiciais, a prisão, os filhos, o álcool, a fome, a doença. Homem de muitas casas e lugares, foi jornalista ocasional, revisor tipográfico, tradutor. Frequentou, a partir de 1944, o Curso de Filologia Românica na Faculdade de Letras de Lisboa, que nunca irá concluir. Em 1950 cria a «Contraponto», que editará (em alguns casos pela primeira vez) Cesariny, António Maria Lisboa, Herberto Helder, Manuel de Lima, Vergílio Ferreira, Natália Correia, o próprio Pacheco, para só citar alguns dos portugueses. Os Cadernos de Crítica e Arte não sobreviverão, porém, ao terceiro número (1950, 1952, 1962). Ainda nos anos 50 lança uma curiosa colecção (Teatro de Bolso) sem paralelo, destinada a acompanhar as representações teatrais dos palcos lisboetas.
O seu talento de escritor («não sou um escritor, sou um gajo que escreve», dirá Pacheco em 1995) manifesta-se em textos breves de género indefinido escritos numa prosa desembaraçada tocada de lirismo desavergonhado, por vezes cru, por vezes pungente, em que o seu longo convívio com a gente do surrealismo também deixou marcas: vejam-se os casos exemplares de Comunidade (1964), talvez o seu texto mais belo, O Libertino Passeia por Braga, a Idolátrica, o Seu Esplendor (escrito no início da década de 60, mas só publicado em 1970) ou Os Namorados (texto iniciado nos anos 50, editado em 1984). Outros textos, de brevidade semelhante – panfletos, provocações, implicações –, de merecimento desigual, mas veículos de uma mordacidade crítica impiedosa e não veneradora, revelam ainda um Luiz Pacheco igualmente polémico e incómodo.
De mistura com as misérias da vida, a fama de desbocado e maledicente cedo deixou cair sobre Luiz Pacheco uma sombra (ou dever-se-á dizer aura?) de maldição, que o autor sempre viu com desdém (cf. «O que é um escritor maldito?», dois artigos publicados no Suplemento Literário do Diário de Lisboa, em 1971, republicados com alterações em Literatura Comestível, 1972). Libertino num tempo de costumes apertados em que o epíteto podia ainda fazer sentido («conheci gente devassa, libertinos muito poucos», diz num célebre prefácio à edição portuguesa, de 1966, de Philosophie dans le Boudoir de Sade), avesso a tiranias, persistentemente «cínico e só», tudo dissolvendo numa gargalhada, Luiz Pacheco conservou na sua prosa (literária, crítica, autobiográfica sempre) uma lucidez desbragada e vivida. Afinal, só é maldito quem pode.
*
*
Algumas obras para além das já citadas e dos textos dispersos por diversos jornais, Carta-Sincera a José Gomes Ferreira (1958), O Teodolito (1962), Crítica de Circunstância (1966), Textos Locais (1968), Exercícios de Estilo(1971, reed. aumentada, 1998), Pacheco vs. Cesariny (1973), Textos de Circunstância (1977), Textos Malditos (1977), Textos de Guerrilha - I (1979), O Caso das Criancinhas Desaparecidas (1981), Textos de Guerrilha - II (1981), Textos do Barro (1984), Textos Sadinos (1991), O Uivo do Coiote (1992), Memorando, Mirabolando (1995), Cartas na Mesa (1996, apresentação e notas de Serafim Ferreira), Prazo de Validade (1998), Isto de estar vivo (2000), Uma Admirável Droga (2001), Mano Forte (2002), Raio de Luar (2003), Figuras, Figurantes e Figurões (2004), Diário Remendado 1971-1975 (2005), Cartas ao Léu (2005).
*
Jorge Colaço
em Biblos-Enciclopédia VERBO das Literaturas de Língua Portuguesa
publicado por annualia às 23:50
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO