Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Prémio Portugal Telecom (Brasil)/ Cristovão Tezza por O filho eterno

«Cristovão Tezza nasceu em Lages, Santa Catarina, em 1952. Em junho de 1959, morreu seu pai; dois anos depois, a família se mudou para Curitiba, Paraná.
Em1968 passou a integrar o Centro Capela de Artes Populares
, dirigido por W. Rio Apa, com quem trabalhará até 1977. Ainda em 1968, também participa da primeira peça de Denise Stoklos,  e no ano seguinte de duas montagens do grupo XPTO, dirigido por Ari Pára-Raio, sempre em Curitiba.
Em 1970 concluiu o ensino médio no Colégio Estadual do Paraná. 
No ano seguinte, entrou para a Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (RJ), desligando-se em agosto do mesmo ano. Em dezembro de 1974, foi a Portugal estudar Letras na Universidade de Coimbra, matriculado pelo Convênio Luso-Brasileiro, mas como a universidade estavan fechada pela Revolução dos Cravos, passou um ano perambulando pela Europa.
Em janeiro de 1977, casou-se. Em 1984, mudando-se para Florianópolis, Santa Catarina, trabalha como professor de Língua Portuguesa da UFSC. Voltou a Curitiba em 1986, agora dando aulas na UFPR, onde leciona até hoje.

Em 1988 publicou Trapo (Brasiliense), livro que tornou seu nome conhecido nacionalmente. Nos dez anos seguintes, publicou os romances Aventuras provisórias (Prêmio Petrobrás de Literatura), Juliano pavollini, A suavidade do vento, O fantasma da infância e Uma noite em Curitiba. Em 1998, seu romance Breve espaço entre cor e sombra (Rocco) foi contemplado com o Prêmio Machado de Assis da Biblioteca Nacional (melhor romance do ano); e O fotógrafo (Rocco), publicado em 2004, recebeu no ano seguinte o Prêmio da Academia Brasileira de Letras de melhor romance do ano e o Prêmio Bravo! de melhor obra.
Sua tese de doutorado (USP), Entre a prosa e a poesia - Bakhtin e o formalismo russo, foi publicada em 2002 (Rocco). Também na área acadêmica, Cristovão Tezza escreveu dois livros didáticos em parceria com o lingüista Carlos Alberto Faraco (Prática de Texto
e Oficina de Texto, editora Vozes), e nos últimos anos tem publicado eventualmente resenhas e textos críticos no jornal Folha de S. Paulo.
Em 2006, assinou contrato com a Editora Record
, que começou a relançar sua obra. Em julho de 2007 foi publicado seu novo romance O filho eterno, e foram reeditados, com novo projeto gráfico, seus romances Trapo, Aventuras provisórias e O fantasma da infância.

Em dezembro de 2007, o romance O filho eterno recebeu o Prêmio da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de melhor obra de ficção do ano. O livro foi lançado (junho de 2008) na Itália pela editora Sperling & Kupfer (tradução de Maria Baiocchi), e já tem edições contratadas na França, Espanha e Portugal.»

 

publicado por annualia às 15:43
link do post | comentar

Gerald Arpino (1923-2008)

 


Bailarino e coreógrafo americano (West Brighton, Nova Iorque, 1929 - Chicago, 29.10.2008). Estudou dança clássica em Seatle, com Mary Ann Wells, e trabalhou dança moderna com May O`Donnell. Foi primeiro bailarino do Robert Joffrey Ballet, do qual vei a ser director artístico. Em 1963 era já co-director do American Ballet Center. Distinguiu-se, sobretudo, como autor de obras em que os estilos académico-clássico, romântico e neoclássico se fundem na estética da modern dance. As suas obras são brilhantes e eminentemente teatrais.
Gerald Arpino era membro do Arts Advisory Committee do New York International Festival of the Arts e integrava a administração de The Chicago Academy for the Arts. Era doutor honoris causa pelo College of Staten Island, City University of New York, e pelo Wagner College. Foi distinguido, em 1974, com o prémio da Dance Magazine e com a medalha Vaslav Nijinsky. Em 2005, entre outras diversas distinções, recebeu o Prémio de Carreira da Chicago National Association of Dance Masters. Em 2006, foi agraciado pelo presidente italiano com a condecoração de Grande Oficial da Ordine della Stella della Solidarietà Italiana. Em 2007, tornou-se Director Artístico Emérito do Joffrey Ballet.

Obras Princ.: Partita for four (1961), Ropes (1961), Sea Shadow (1963), Incubus (1962), Palace (1963), Viva Vivaldi (1965), Olympics (1965), Nightwings (1966); The Clowns (1968), Trinity (1969); Valentine (1971), Kettentanz (1971); Sacred Grove on Mount Tamalpais (1972), Relativity of Icarus (1974), Orpheus Times Light (1976), Suite Saint-Saëns (1978), Celebration (1980), Light Rain (1981), Round of Angels (1983), Ruth: Ricordi Per Due (2004).

 

Veja um entrevista com Gerald Arpino aqui.

 

 

 

publicado por annualia às 13:37
link do post | comentar

O filme da Disney e os livros da Verbo

 

High School Musical 3: o filme da Disney
(estreia hoje 30 de Outubro)

 

 

 

 

 

 

 

 


High School Musical 3: os livros da Verbo

 

 

 

publicado por annualia às 11:37
link do post | comentar
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Tony Hillerman (1925-2008)

 

Escritor e jornalista norte-americano (Sacred Heart, Oklahoma, 27.5.1925 - Albuquerque, Novo México, 27.10.2008) cujo fascínio pelos ritos e tradições da tribo índia dos Navajos o levou a instalar-se na reserva de Crowpoint, no Novo México. Neste estado norte-americano, Hillerman fez-se jornalista, desempenhando diversas funções em jornais até se tornar director do escritório da UPI em Santa Fé e chefe de redacção do New Mexican.
Voltou à universidade e, após concluir os seus estudos em jornalismo, ensinou na Universidade do Novo México entre 1966 e 1987. 
Porém, o seu nome tornou-se conhecido no domínio da ficção policial de matriz étnica, na qual os seus heróis são dois polícias de origem navaja, Joe Leaphorn e Jim Chee. A obra de Hillerman foi alvo de distinções por diversas vezes: The Blessing Way (1970), Dance Hall of the Dead (1973), Listening Woman (1978), People of the Darkness (1980), The Dark Wind (1982), The Ghost Way (1984), Skinwalkers (1986), A Thief of Time (1988), Talking God (1989), Coyote Waits (1990), Sacred Clowns (1993), The Fallen Man (1997), The First Eagle (1998), Hunting Badger (1999), The Wailing Wind (2002), The Sinister Pig (2003), Skeleton Man (2004), The Shape Shifters (2006).
Alguns outros livros: The Spell of New Mexico (1976), Mystery, Country Boys, and the Big Reservation (1986), Indian Country: America's Sacred Land (1987), Making Mysteries With Navajo Materials (1989), Talking Mysteries: A Conversation With Tony Hillerman (1993), The Mysterious West (ensaios, 1995), Seldom Disappointed: A Memoir (2001).
 
publicado por annualia às 10:07
link do post | comentar
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

EUA: acordo histórico entre a APA e o Google

 

A American Publishers Association acaba de anunciar um acordo com o Google que permitirá alargar o acesso on line a livros fora do mercado, permitindo também aos editores incluir, se quiserem, livros em publicação. O acordo inclui a criação de mecanismos de pagamento de direitos aos autores e aos editores.

 

Ver mais aqui.

 

publicado por annualia às 16:13
link do post | comentar

A Verbo e a Ulisseia na Feira de Frankfurt

 

 

Com a devida vénia aos Booktailors.

publicado por annualia às 16:02
link do post | comentar

100 anos da Região Demarcada do Dão

O Dão: auto-estima, organização e acção para agarrar o futuro

 

por

Arlindo Cunha

 

Economista, Presidente da Escola de Estudos Avançados das Beiras e

ex-Ministro da Agricultura

 

 

 (clique para aumentar)

 

O texto integral dos artigos de ANNUALIA 2008-2009 está apenas disponível na edição em papel, que pode ser adquirida em www.editorialverbo.pt ou em qualquer boa livraria do País.

 

 

publicado por annualia às 14:33
link do post | comentar
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

Annualia 2008-2009: as vidas

 

 

publicado por annualia às 11:32
link do post | comentar
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

Prémio Sakharov/ Hu Jia

O Prémio Sakharov 2008 para a liberdade de pensamento, concedido pelo Parlamento Europeu, foi atribuído ao dissidente chinês Hu Jia, apesar das pressões exercidas por Pequim.
Hu Jia é um activista dos direitos humanos, da protecção ambiental e da luta contra a Sida, foi condenado a três anos e meio de prisão em Abril, acusado de «incitamento à subversão do poder estatal», depois de, em 2007, ter testemunhado, através de teleconferência, sobre os direitos humanos na China, no subcomité dos Direitos Humanos do Parlamento Europeu.
(Fonte: Público)

publicado por annualia às 12:20
link do post | comentar
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Os «mil anos» de Murasaki Shikibu

Dama de honor na corte de Heiankyô, em Quioto, é autora (c. 978 - c. 1014) da obra capital da literatura romanesca do Japão, Genji monogatari, que, segundo René Sieffert, constitui um fresco monumental da sociedade e da vida na corte do seu tempo que não tem equivalente ocidental antes do século XIX.

Educada pelo pai, um homem culto e autor de poemas em chinês clássico,  Murasaki destacou-se no dealbar do milénio pela sua vasta cultura, tendo sido escolhida pelo poderoso Michinaga para educar a imperatriz Shoshi, a qual seguiu no recolhimento religioso a que se dedicou depois da morte, em 1011, do marido, o imperador Ichijô.

Genji monogatari (agora em edição portuguesa da Relógio d'Água, com o título O Romance do Genji) é constituído por 54 livros que ocupam cerca de duas mil páginas cujo conteúdo abrange três gerações ao longo de setenta anos, «mas sempre o mesmo jogo do amor e da ambição, retomado sem cessar, com pequeníssimas variantes, por novos actores que não são mais do que gotas de água no rio do tempo.» (René Sieffert)

Diz este mesmo autor que, nesta obra fundamental, «a acuidade da análise psicológica consegue fazer esquecer a distância no espaço e no tempo de tal modo que, apesar da diferença de usos e costumes, o leitor moderno retém sobretudo uma surpreendente impressão de verdade humana universal.»

 

 

 

publicado por annualia às 12:05
link do post | comentar
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008

Booktrailer - Annualia 2008-2009: as efemérides

 

 

 

 

 

publicado por annualia às 12:08
link do post | comentar | ver comentários (1)

James Timothy Gleeson (1915-2008)

Pintor surrealista australiano (Hornsby, Sydney, 21.11.1915 – Sydney, 20.10.2008) que realizou a sua primeira exposição quando era ainda estudante no Sydney Teachers College, em 1939. Manteve, desde então, actividade constante quer como pintor, quer como escritor. Durante a II Guerra Mundial, entre 1941 e 1944, ensinou arte na Kogarah Girls High School, tendo posteriormente exercido actividade docente no Sydney Teachers College. Depois da guerra terminar, viajou por Inglaterra e na Europa, tomando contacto com a pintura europeia antiga, bem como com a pintura surrealista de Dalí, Max Ernst e Magritte.
Como historiador de arte, Gleeson publicou um trabalho importante sobre William Dobell (1964), seguindo-se Masterpieces of Australian Painting (1969), Colonial Painters -1788-1800, Impressionist Painters - 1881-1930 e Modern Painters 1931-1970 (1971), Robert Klippel (1983). A edição dos seus Selected Poems data de 1993.
A última grande mostra do seu trabalho foi a exposição retrospectiva com o título «James Gleeson: Beyond the Screen of Sight», realizada em 2005, na National Gallery de Victoria, em Melbourne, e na National Gallery da Austrália, em Canberra.

4a089e666f68fb5ce29eb6fce5442f80.jpg247b140f43246279dde8d5ee48e65073.jpgdf32d7bdce40fe17bd48a574abb8107b.jpg

 

publicado por annualia às 10:04
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO