Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

D. Pedro Gastão de Orleans e Bragança (1913-2007)

D. Pedro de Alcântara Gastão João Maria Filipe Lourenço Humberto Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança, pretendente directo ao trono do Brasil (Chateau d’Eu, 19.2.1913 -Villamanrique de la Condesa, 27.12.2007), era bisneto de Pedro II, o último imperador do Brasil. Casou, em 1944, com D. María de la Esperanza de Borbón-Dos Sicilias y Orleans, terceira filha do infante espanhol D. Carlos (1970-1949) e tia do rei Juan Carlos I. Apesar de o seu pai, D. Pedro de Alcântara de Orleans e Bragança ter renunciado ao direito de sucessão, D. Pedro Gastão sempre se apresentou como herdeiro legítimo e participou activamente, em 1993, na campanha para a reimplantação da monarquia no Brasil. D. Pedro Gastão era irmão da mãe de D. Duarte Pio, pretendente ao trono de Portugal. Ao longo de muitos anos repartiu a sua vida pelo Brasil (Petrópolis) e Espanha (Villamanrique de la Condesa, Sevilha). Possuía, entre outras distinções, a de Cavaleiro da Grã Cruz da Ordem de Pedro I, Cavaleiro da Grã Cruz da Ordem da Rosa e era também Cavaleiro da Ordem de San Genaro.
Família Imperial Brasileira: da esquerda para a direita, sentadas, Princesa D. Esperanza, Princesa D. Isabel (Condessa de Paris) e Princesa D. Elizabeth (Princesa-Mãe). De pé, ao fundo, ainda da esquerda para a direita, Príncipe D. Pedro Gastão, Princesa D. Teresa e Príncipe D. João.
 
 
 
 
 
 
 
D. Pedro Gastão de Orleans e Bragança ao lado do trono que pertenceu ao seu bisavô D. Pedro II. Esta peça faz parte do acervo do Museu Imperial de Petrópolis.
 
_____________________________________________________________
 
 
publicado por annualia às 10:39
link do post | comentar
3 comentários:
De Dionatan da Silveira Cunha a 7 de Agosto de 2009 às 01:50
À Dom Pedro Gastão e seus descendentes não se reservava direito algum ao Trono do Brasil, haja vista a renúncia de seu pai, em 1908. A Chefia da Casa Imperial do Brasil pertenceu, primeiramente a Dona Isabel, a Redentora, depois ao seu filho Dom Luiz, logo ao filhos deste, Dom Pedro Henrique e, atualmente a Dom Luiz de Orleans e Bragança, filho de Dom Pedro Henrique.
Dom Pedro Gastão e sua Família constituiam apenas mais ramo da Família Imperial.

Dionatan da Silveira Cunha.
De Robert van Weerelt a 26 de Novembro de 2009 às 06:15
Prezado senhor,
segundo outra corrente monarquista, a carta de abdicação de 1908 foi assinada para que a Princesa Isabel aceitasse o casamento do então Príncipe do Grão Pará com uma representante de família não reinante. Além disto, segundo a mesma corrente, tal documento teria, ainda, que ser validado pelo poder público adequado no Brasil, o que nunca ocorreu. Vale lembrar que a Constituição de 1824 não exigia que Príncipes Imperiais brasileiros casassem com representantes de dinastia reinantes como condição para se manterem na linha de sucessão ao trono. Isto é, o motivo pelo qual o Príncipe do Grão Pará foi pressionado a assinar tal instrumento de abdicação era estranho e anacrónico face ao espírito liberal daquela constituição. Isto é, coagir aquele Príncipe a assina-lo representou uma traição à carta legada por D. Pedro I ao Brasil. Talvez devêssemos ter em mente, ainda, que os monarcas da família Bragança eram aclamados como reis ou imperadores. Portanto, nada mais afinado com este princípio do que deixar ao povo e seus representante a decisão sobre a questão dinástica, se for o caso. Por fim, o “Ramo de Petrópolis” da família Orleans e Bragança é o primogénito e seu chefe percebido e respeitado na qualidade de "Princeps e Primogénito do Brasil", inclusive pelo chamado "Ramo de Vassouras", devendo ser esta postura, imagino eu, acatada por aqueles que seguem a reivindicação dinástica deste último.
Cordialmente, R
De Dionatan da Silveira Cunha a 27 de Novembro de 2009 às 02:05
Caríssimo Senhor Robert,

A que outra corrente monarquista o senhor se refere? Coordenada por quem? Organizada por quem? Baseada em quem? Que órgãos a compõem? Associações, Instituições?

Não é de meu interesse discutir a querela dinástica, que não existe mais! Meu comentário foi apenas feito para retificar a postagem feita.

É ilusão dizer que a carta de Cannes foi assinada por Dom Pedro de Alcântara a força, como se Dona Isabel tivesse manipulado um maior de idade, capaz e em pelo vigor de suas faculdades mentais, a assinar uma carta-renúncia. Não justifiquemos o injustificável. Não sejamos a favor dos que tentam caluniar os atos da Redentora, dos que tentam tiranizar os atos de Dona Isabel.

Segundo a Constituição de 1824, Art. 120.: “O Casamento da Princeza Herdeira presumptiva da Corôa será feito a aprazimento do Imperador”, transferimos o caso ao Príncipe em questão. Dom Pedro de Alcântara deveria ter submetido seu casamento à aprovação de Dona Isabel, e o fez, esta por sua vez, na qualidade de Chefe da Casa Imperial do Brasil, achou por bem que não deveria dar seu aprazimento à união, por fim Dom Pedro de Alcântara renunciou a seus direitos ao Trono do Brasil, por si e por seus descendentes. Um fato.

Quem coagiu Dom Pedro de Alcântara a assinar a renúncia? Acaso o Príncipe era um incapaz, não manifestava suas próprias vontades? Foi ameaçado?
Exato, nada mais justo do que deixarmos a cargo do Congresso Nacional a escolha do herdeiro. Talvez aí sim os Silveira, os Cunha e os Weerelt pudessem imperar no Brasil. A quem acha que o Congresso daria legitimidade?

Dom Pedro de Alcântara era filho primogênito de Dona Isabel. Atenção: a ele e seus descendentes não é garantido direito algum ao Trono do Brasil (no caso de Restauração), haja vista a renúncia de 1908.
Por fim deixo claro que minhas colocações se referem apenas a sucessão dinástica. Em nada tem haver com caráter do Príncipe renunciante e sua descendência, a qual admiro maximamente.

Mantemos os valores de Dona Isabel, a Redentora, a quem o Brasil deve tanto.

Respeitosamente,

Dionatan da Silveira Cunha.

Comentar post

ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO