Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

2009 Ano Internacional da Astronomia III

por MÁXIMO FERREIRA

Astrónomo

TERCEIRA PARTE
O Céu na Literatura


São inúmeros os textos literários que constituem autênticas relíquias de grande parte da humanidade, pelos seus conteúdos ligados à contemplação do céu ou a viagens à Lua ou a locais fictícios do cosmos.

Para além da imaginária viagem de um barco à vela que, arrancado das ondas do mar por um violento vendaval, vai ter à Lua (obra de Luciano de Samósata, no século II da nossa era), à surpresa de Cyrano de Bergerac ao ouvir falar francês quando descia («pensava» ele) na Lua, depois de levado pelo orvalho contido em cabaças atadas à volta da cintura, ou ainda ao imortal livro de Júlio Verne, Da Terra à Lua, muitas foram as obras que, em prosa, em verso ou mesmo em banda desenhada, abordaram temas com personagens – em terra ou no espaço – envolvidos no espírito que a curiosidade pelo desconhecido e a imaginação incute no ser humano e o lança em aventuras mais ou menos realistas.

Constituem autênticas pérolas da literatura os planetas visitados pelo Principezinho de Saint-Exupéry ou mesmo as aventuras de Tintim na Lua.

Talvez menos conhecidos no mundo, Camões e a sua genial obra, Os Lusíadas, descrevem a mais extraordinária lição de Astronomia, não só ao longo de toda a obra mas, essencialmente, na «aula» dada pela deusa Tétis a Vasco da Gama, «perante» a «…grande máquina do Mundo, / Etérea e elemental…».

Já cerca de cento e cinquenta anos antes, o Rei D. Duarte no seu Leal Conselheiro havia incluído um texto sobre astronomia prática com o objectivo de explicar «… a maneira de conhecer a estrella do norte e per ella suas guardas aa mea noite e menhãa, …».

Na verdade, já cerca de duzentos anos antes do «rei eloquente» havia sido estabelecido um método semelhante para saber as horas pelas posições da estrela polar. No entanto, D. Duarte torna o seu mais completo a ponto de, com ele, poder não só conhecer a hora mas também saber os momentos do nascimento ou do ocaso do Sol. Tais técnicas haveriam de conduzir à elaboração dos «nocturlábios», instrumentos adaptados à utilização da estrela polar (que deveria ser observada através do orifício central) e com um ponteiro móvel que seria orientado na direcção de Kochab, a «guarda dianteira» da Ursa Menor, ou seja, a estrela que «vai à frente» no movimento aparente daquela constelação circumpolar.

Os nocturlábios foram também adaptados para «ver» as horas a partir da posição do Cruzeiro do Sul.

Ao que parece, a primeira referência a «nocturlábio» é feita por Martin Cortés no seu manual Arte de Navegar (1551) que, no mesmo ano, foi traduzido para inglês.

*Texto inicialmente publicado no volume Annualia 2008-2009

Seguir blog do Público, aqui.

publicado por annualia às 17:03
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO