Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

2009 Ano Internacional da Astronomia II

por Máximo Ferreira

Astrónomo

SEGUNDA PARTE
O Céu na História

 

Os mais antigos registos de factos astronómicos provêm da Mesopotâmia, região entre os rios Tigre e Eufrates, onde se situa actualmente o Iraque. Certamente, já muito antes os habitantes daquela e de outras partes do mundo observavam o céu e imaginavam nele figuras e mitos e a morada de forças ocultas que, por vezes, provocavam os relâmpagos e os trovões ou, ocasionalmente, faziam desaparecer o Sol, durante o dia, ou a Lua, em noites de lua cheia.

Teria sido também por «sinais» celestes que terão aprendido a determinar as melhores ocasiões para preparar terras para as sementeiras, lançar as sementes ou proceder às respectivas colheitas.

Quanto à posição do Homem no cosmos, é quase certo que, por volta do ano 1000 antes do início da nossa era, a concepção do mundo não seria muito diferente nos grandes impérios (Mesopotâmia, Egipto e China). A Terra não seria mais do que uma pequena porção plana encimada por uma abóbada, no interior da qual se encontravam, fixas, as estrelas.

No entanto, é certo que tinham conhecimento da relação do céu com as estações e a duração do ano e que era notável a preocupação de estabelecer concordâncias rigorosas. Uma antiga placa de argila (do século XX antes da nossa era) tem o registo de que "Hamurábi, disse ao seu ministro Sin-idinnam: o ano está fora do sítio …".

Sobre o saber astronómico grego pouco se conhece anteriormente ao século IV a.C., pois dos filósofos de então não nos chegou qualquer documento escrito. Mesmo de Aristarco e Hiparco (séculos III e II a.C., respectivamente), os documentos conhecidos constituirão uma pequeníssima parte dos trabalhos que terão produzido. Mas seriam os gregos a aplicar aos factos e fenómenos observados no céu um racionalismo científico que, baseado nas tentativas de retirar dos fenómenos naturais a mística, a magia e o sobrenatural, levaria ao despertar da curiosidade de observar, registar e interpretar os fenómenos em análise. O primeiro grande sucesso da Astronomia grega consistiu no reconhecimento da Terra como um «corpo celeste». Anaximandro concebe a Terra com forma cilíndrica, isolada no espaço, e, à sua volta, todos os «astros errantes» descrevendo voltas circulares inclinadas relativamente ao cilindro.

Já no início da nossa era, com base em complexos arranjos geométricos, Ptolomeu estabelece o mais perfeito «sistema do mundo» com base no geocentrismo. A ideia da Terra no centro de uma enorme esfera coincidia com o que se observava durante o dia e à noite e, essencialmente, estava de acordo com a filosofia de Aristóteles. Por isso, durante cerca de mil e quinhentos anos foi esse o modelo adoptado.

No período da Renascença, escritores, filósofos e cientistas aprofundam «contactos» com as ideias de filósofos gregos e retomam algumas das suas convicções. Copérnico analisa as representações de Ptolomeu e compara-as com as observações modernas, concluindo que estas seriam mais fáceis de explicar se, em vez da Terra, se admitisse o Sol no centro do mundo. A aventura dos descobrimentos e as técnicas e instrumentos desenvolvidos para determinar posições no mar (a partir da observação astronómica), contribuíram para retirar definitivamente a humanidade do centro do mundo.

As observações de Galileu demonstram a validade do conceito heliocêntrico e sugerem que o Sol não estará no centro do mundo e, ainda, que a esfera celeste não terá existência real. Descobre-se a paralaxe estelar, determinam-se distâncias às estrelas e confirma-se a ideia de Kant ao verificar-se que o seu «universo ilhas» existia na forma de inúmeras galáxias dispersas pelo espaço.

Já no século XX, determina-se a posição do Sistema Solar na nossa Galáxia e verifica-se que ele se situa muito longe da parte central.

O Homem, retirado do centro do mundo por Copérnico, era agora afastado do centro da Via Láctea, uma de entre milhões de galáxias que povoam o Universo, no qual não faz sentido falar de «centro».

*Texto inicialmente publicado no volume Annualia 2008-2009


Seguir blog do Público, aqui.

publicado por annualia às 16:53
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO