Terça-feira, 14 de Abril de 2009

Kevin Kelly: participar do crescimento de um livro

  The Technium

Pouco tive de meu durante a maior parte da minha vida. Até aos 30 fui um vagabundo. Vagueei por territórios remotos da Ásia de ténis baratos e jeans ruços. As cidades que melhor conheci transbordavam de uma riqueza medieval; as terras verdejavam de cuidados agrícolas. Tudo o que as minhas mãos tocavam, nessa época, era quase seguramente feito de madeira, corda ou pedra. Comi com as mãos, caminhei por vales e montanhas, e dormi não importava onde. Levava comigo muito pouco dinheiro e ainda menos objectos. As minhas posses resumiam-se a um saco-cama e algumas máquina fotográficas.
Um ano após ter regressado da Ásia comprei uma bicicleta barata, pedi uns sacos emprestados, e pedalei através do continente americano, de oeste para leste. Abandonei tudo o que era material para chegar à costa leste absolutamente sem nada, a não ser a bicicleta. O momento mais esperado dessa viagem era a travessia dos campos cultivados pelos Amish, na parte ocidental da Pensilvânia. Respeito os Amish pelo critério selectivo com que escolhem o que possuem. Sentia que a minha vida, liberta de caprichos tecnológicos, emparelhava com a deles. Tencionava reduzir ao mínimo a tecnologia na minha vida.
Alguns anos mais tarde, cheguei à Califórnia e, aos 32 anos, arranjei finalmente um carro. Um amigo emprestou-me um computador (um dos primeiros Apple II com modem) para automatizar o meu ainda titubeante negócio caseiro, e, em breve, dei por mim imerso numa fronteira de vida on line. Editei a primeira publicação de consumidores que fez crítica de software para PC. Vi-me, então, envolvido no arranque do primeiro portal público online na então emergente internet. Em 1992, ajudei a iniciar e editar a revista Wired – a trombeta oficial da cultura digital. Desde então tenho pairado na crista de tudo o que adopta a tecnologia. Os meus amigos são agora gente que inventa supercomputadores, medicamentos de natureza genética, motores de busca, nanotecnologia, comunicações por fibra óptica, e tudo o que é novo. Abracei em absoluto o poder transformador da tecnologia.
Ainda assim, a nossa família de cinco pessoas ainda não tem televisão. Não tenho pager, nem PDA, nem telemóvel com câmara fotográfica. Não viajo com um portátil e sou frequentemente o último da vizinhança a ter o mais recente gadget da moda. Encontro força espiritual no facto de manter a tecnologia a uma relativa distância.
Ao mesmo tempo, mantenho diariamente um sítio da internet, chamado Cool Tools, onde passo em revista uma vasta e muito seleccionada gama de tecnologia de consumo. Uma torrente de artefactos engenhosos passa pelo meu estúdio; um bom número deles nunca mais sai. Apesar da minha distância, continuo deliberadamente a colocar-me numa posição que mantenha ao meu alcance opções tecnológicas.
Esta óbvias contradições obrigaram-me a investigar a minha relação paradoxal com a tecnologia. Passei o último ano e meio a estudar a história da tecnologia, os argumentos dos críticos da tecnologia, projecções relativas ao seu futuro, e a porção minúscula de filosofia técnica que tem sido publicada, tudo com o objectivo de responder a uma questão simples. Como devo encarar a nova tecnologia à medida que ela surge?
É uma pergunta que está no coração de muitas outras que nos deixam perplexos hoje em dia. Não sou o único a ficar perplexo sobre a verdadeira natureza da presença crescente da tecnologia na nossa cultura. A melhor maneira que conheço de pensar nas coisas é escrever sobre elas e, então, para me obrigar a ir além do óbvio, estou a escrever um livro sobre o significado da tecnologia.
À medida que escrevo, publicarei posts. O objectivo deste sítio é transformar os meus posts numa conversa. Irei publicando os meus meio-pensamentos, meio-argumentos, rascunhos e respostas a outros posts como um modo de descobrir o que realmente penso.
Até agora, nesta viagem de 18 meses, mudei de ideias por diversas vezes, e espero ainda mudar de ideias de novo à medida que me surjam novas perspectivas. Mas, para ser honesto, preciso de tornar claras as bases do meu pensamento.
Estou agora na casa dos 50. Ainda viajo bastante e tenho visto ainda mais a população crescente do mundo e alguns dos seus territórios que permanecem selvagens. Visitei muitos países, tanto ricos como em desenvolvimento. Tenho lido bastante história – antiga, esotérica, económica e a recente. Com base no que tenho visto e lido, creio que existe progresso, se virmos as coisas numa larga escala. Em segundo lugar, tenho a sensação de que, no geral, a tecnologia é uma coisa boa. Em terceiro lugar, e mais importante do que tudo, tenho uma firme fé em Deus, que subjaz à minha perspectiva pessoal e que, por certo, se tornará evidente no enquadramento das minhas questões.
Estes não são, hoje em dia, os preconceitos da maior parte das pessoas com instrução, por isso o desafio será o de apoiar as minhas conclusões (quando as tiver!) com provas e argumentos persuasivos.
Intitulei este site The Technium. É uma palavra que cunhei com relutância para designar a esfera maior da tecnologia – a que ultrapassa o hardware para abranger cultura, direito, instituições sociais e as criações intelectuais de todos os géneros. Resumindo, o Technium é tudo o que brota da mente humana. Inclui a tecnologia «dura», mas também muita da criação humana. Entendo esta face alargada da tecnologia como um sistema global que possui a sua própria dinâmica.
Tenho como finalidade investigar o Technium. Que pretende ele? Porque o adoptamos? É possível rejeitá-lo? Como se relaciona ele com Deus, se porventura existe alguma relação? Que tipo de controlo temos, na verdade, sobre o ritmo e o caminho futuro do próprio Technium?
Peço respostas a todos, no espaço dos comentários ou via email. Estou particularmente ansioso por perspectivas pouco habituais sobre factos muito batidos. Não estou muito interessado no politicamente correcto; estou de facto interessado em rigor e honestidade (no que as pessoas realmente fazem e não no que acreditam ou dizem).
Podem contactar-me através da página kk [Kevin Kelly] em kk ponto org.
12 de Novembro de 2004
publicado por annualia às 17:26
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO
Site Meter