Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

Centenário de Mircea Eliade

 

Uma imagem de Mircea Eliade (I)

por João Bigotte Chorão*

 

 

 

 

Toda a vida do escritor romeno (Bucareste, 1907 - Chicago, 1986) foi provada por vários dramas: o do «terror da História», o da oscilação entre a erudição e o da invenção romanesca, entre a orgia e a ascese. O «terror da História» é o que se abate sobre os povos, vítimas da guerra e da opressão de regimes inimigos do homem. O século XX, palco de duas guerras mundiais que tudo devastaram, vidas e bens materiais e morais (para não falar na Guerra Civil Espanhola e em conflitos em África e na Ásia), esse nosso admirável e progressivo século sofreu ainda totalitarismos que, como um moderno Leviatã, assombraram o destino de milhões de homens. Mircea Eliade viu, de perto ou de longe, o chão da Roménia pisado por Alemães e por Russos. No final da Segunda Guerra, teve mesmo de optar, como tantos outros, pelo exílio — e no exílio acabaria por morrer.
Em Londres, onde exerceu funções diplomáticas, assistiu a bombardeamentos que difundiram pânico, destruição e morte. Ao ver soltas as Bestas do Apocalipse, surgiu-lhe a expressão «terror da História» e uma outra — «morte colectiva». Morte, esta, que se nos tornou familiar, com o espectáculo repetitivo de furacões e de terrorismo. Numa página do Bosque Proibido — opus magnum do romancista —, temos a imagem de um abrigo antiaéreo onde, naquele ambiente de angústia, um homem, todo absorvido na leitura, parece alheado do que o rodeia. Intrigado, talvez até escandalizado, alguém lhe pergunta o que lê: os sonetos de Shakespeare. Se a morte vier, esclarece o tranquilo leitor, não matará um escravo, mas um homem livre: livre pelo espírito que doma o pânico da carne. Quem sabe se Eliade, que conhecia e admirava Camões (não pensou escrever um livro sobre ele?), teria presente a última estância do I Canto d’Os Lusíadas: «Onde pode acolher-se um fraco humano, /Onde terá segura a curta vida.» De precoce e insaciável curiosidade, não havia livros à medida da sua fome — livros das mais díspares matérias. Quando, enfim, dispôs de um espaço todo seu na casa paterna — a mítica mansarda, tão presente em escritos autobiográficos e na ficção (por exemplo, em Gaudeamus) —, pôde varar a noite, em sôfregas leituras, que lhe agravaram a miopia. Era a tentação do saber enciclopédico, e assim se percebe quer a atracção por Goethe quer o tema da sua tese de licenciatura — a filosofia do Renascimento. A vocação cultural que, na adolescência, se manifesta geralmente por tentativas literárias mais ou menos poéticas, revestiu no jovem Eliade formas insólitas de vulgarização científica, nos domínios da entomologia e da química. Mas não tardou que, ao findar o curso liceal, a propensão literária de Eliade se afirmasse em autobiografias ficcionadas, como o Romance do adolescente míope (publicado postumamente e que se julgava perdido). Nessa viragem, ou melhor, nessa redescoberta da vocação literária foi decisiva a leitura (em tradução francesa) de Un uomo finito de Giovanni Papini, essa como suíte sinfónica com que se identificou a juventude irrequieta de Eliade. Mais tarde, moderando juízos entusiásticos sobre o escritor italiano, não hesitou, porém, em considerar Un uomo finito «um testemunho espiritual de uma qualidade excepcional, único no seu género, e uma das obras mestras da literatura contemporânea».
A enorme erudição de Eliade não o fechou na mansarda estudiosa, para que não chegasse lá, senão atenuado, o ruído da rua. A sua necessidade de intervenção cultural encontrava na imprensa a tribuna para levar mais longe uma voz original e, não raro, polémica. Há quem julgue o jornal um meio inadequado a um «sábio» ou a um «filósofo», que não deve descer a «democratizar» a cultura. Não era esse o entendimento de Ortega y Gasset, que, em conversa com Eliade, lhe disse que via no jornal o prolongamento da aula — aula ao ar livre para um público mais numeroso. Mas o espírito insone de Eliade não lhe dava tréguas: era todo o contrário de um homem instalado. Escritor romeno imbuído da cultura europeia, a sua ânsia de conhecer novas terras leva-o até à Índia. Outras culturas, velhas civilizações acenam-lhe de longe, e, obtida uma bolsa de estudo, viaja para Calcutá. Estuda ioga, aprende sânscrito, estende a outros domínios a sua erudição. Os estudos especializados não o desviam da literatura. Na estação indiana conhece a filha do seu mestre e apaixona-se por ela. Se lhe inspira um belo romance de amor, La Nuit bengali, tem, no entanto, de afastar-se de Calcutá. Como o seu itinerário, também a ficção de Mircea Eliade não é linear — realista e fantástica, simbólica e retrato de uma geração, de uma sociedade e de uma época. Nesta última linha, os dois títulos eliadeanos mais significativos são Os Hooligans e Bosque Proibido. Com este ambicioso romance, o autor procurava recuperar, no Ocidente e no exílio, o prestígio literário que, nos anos 30, conquistara na Roménia. Obra complexa e de vastas proporções, de numerosas e ambivalentes personagens, de múltiplos planos e de acção repartida por vários lugares, entre eles Portugal, não teve porém a audiência que o autor legitimamente esperava.
Audiência, e muito larga, obteve o Tratado de História das Religiões, obra de referência que abriu portas a Eliade e outorgou o respeitável estatuto de «especialista» a um intelectual que perseguia a imagem renascentista do homem universal. Entre os grandes escritores que deram provas inequívocas de interesse pelo nosso País e a sua cultura, depois de Unamuno e de Eugenio d’Ors (a favor dos quais concorria a vizinhança ibérica) e depois de Valery Larbaud (com o seu largo cosmopolitismo intelectual), tem de apontar-se Mircea Eliade. Para isso contribuiu, além da sua curiosidade, a estada em Lisboa, de 1941 a 1945. Foram, como ele precisa, «quatro anos e sete meses de Portugal». Nel mezzo del cammin, Eliade teve de mudar de rumo. A morte prematura do seu mestre Nae Ionescu — mestre carismático de toda uma geração — deixou-o tão perturbado que escreveu: «Perdi o meu Mestre, o meu guia, encontrei-me ‘órfão’ no plano do espírito.» O sentimento de orfandade levou a que abandonasse a Universidade de Bucareste, onde era assistente de Ionescu. E à universidade só voltaria, mas em Chicago, nos finais dos anos 50. O clima político da Roménia tornara-se tenso, e essas duas circunstâncias — a pessoal e a colectiva — obrigaram Eliade a procurar fora de portas o ganha-pão. (continua)
*Texto publicado na ANNUALIA 2006-2007
publicado por annualia às 20:51
link do post | comentar
ANNUALIA
annualia@sapo.pt

TWITTER de Annualia

Artigos Recentes

Prémio de Poesia Luís Mig...

Prémio Pessoa 2009/ D. Ma...

Prémio Goncourt de Poesia...

Prémio Cervantes 2009/ Jo...

O Homem da Capa Verde

Anselmo Duarte (1920-2009...

Francisco Ayala (1906-200...

Claude Lévi-Strauss (1908...

Prémio Goncourt/ Marie Nd...

Alda Merini (1931-2009)

Arquivo

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

todas as tags

pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO